Bem-estar

A licença de maternidade acabou. E agora?

Pensado para todas as mães que se encontram na fase crucial de voltar ao trabalho depois da licença de maternidade, este artigo pretende ser um guia de como fazê-lo em plenitude, sem perder a cabeça. São 7 sugestões essenciais elaboradas com o rigor que este momento pede.

Untitled-7 Untitled-7 Untitled-7
A licença de maternidade acabou. E agora?
© Getty Images
Marta Vieira
Escrito por
Mar. 13, 2020

Regressar ao cenário laboral com um bebé de meses nos braços parece em tudo um desafio megalómano visto de fora e, para quem o vive, é, sem dúvida, o primeiro teste à bolha de emoções avassaladoras em que se constitui a própria licença de maternidade.

Perceber como se pode adaptar a este novo paradigma de regresso ou fazer-se valer da rede de apoio que deverá ter em seu redor são algumas das nossas sugestões. Mas é importante, igualmente, que consiga testar o que funciona melhor para si e para o seu bebé, antecipar necessidades práticas de maior cuidado, informar-se dos seus direitos enquanto mãe e saber negociar esta retoma à vida diária junto da entidade patronal.

Tudo isto, sem subestimar, ainda o poder de saber cuidar de si com todo o mimo possível e procurar ajuda profissional em caso de necessidade. Confira as nossas dicas para um regresso da licença de maternidade o mais tranquilo possível. Esperemos ser-lhe verdadeiramente úteis.

7 sugestões para regressar ao trabalho depois da licença de maternidade

1. Adapte-se à ideia de voltar

O propósito aqui é que comece a preparar o regresso ao trabalho com tempo. Não deixe tudo para a última semana de licença de maternidade, ou pior ainda, para os últimos dias. Não será benéfico nem para si, nem para o bebé e, entre outros transtornos, irá causar-lhe uma ansiedade extra em tudo indesejada.

Esta altura é ideal para rever o seu plano de vida e também de carreira, tendo como principal pressuposto a noção de “voltar tudo ao que era antes” como uma irrealidade. Pense atempadamente como pode reintroduzir o trabalho nesta sua nova vida de recém-progenitora. Desde que haja um plano, depressa conseguirá normalizar a situação.

2. Muna-se de uma rede de apoio

A maternidade é uma fase que proporciona uma felicidade inigualável e sentimento de bênção na vida das mães. Tudo acontece com uma intensidade elevada e, por isso mesmo, a mulher também está mais exposta à vulnerabilidade.

Por todas as mudanças físicas, psicológicas, sociais que acarreta é, desta forma, um momento em tudo propício a uma grande fragilidade – em alguns casos podem até desenvolver-se patologias como a depressão pós-parto.

Assim, não pense em si como uma super mãe-mulher-trabalhadora-filha-amiga-companheira que tudo consegue e que nada a derruba. Alie-se a pessoas que podem fazer este caminho consigo – no fundo, facilitando-lhe a vida – começando por dividir responsabilidades com o seu companheiro (nada menos que o dever deste) mas também recorrerendo à família, amigos chegados e profissionais como amas e de educadores de infância.

Não se esqueça de procurar esta cooperação e diálogo também no local de trabalho, com os seus colegas e superiores. Não está sozinha.

3. Teste

Não espere começar o novo ritmo diário de trabalho de um momento para o outro e aguardar que corra tudo pelo melhor, sem dar espaço para imprevistos ou mesmo falhas. O importante é que, mais do que se organizar a si e ao seu tempo, consiga também preparar o seu bebé para esta mudança.

Por isso, se já tem um plano onde estão previstos novos horários para tarefas como a amamentação, sono e cuidados diários como por exemplo os banhos, teste-o de antemão para que o seu bebé não sinta uma diferença abrupta com estas alterações.

Se ele estiver bem, será muito mais fácil de conseguir manter a sua autorregulação e estará, da mesma forma, mais disponível para conseguir atentar ao trabalho. Acima de tudo, dê tempo para que se adaptem os dois a uma nova fase de vida e não tenha medo de testar com antecedência o que resulta melhor para si e para ele.

4. Informe-se e negoceie

Algum tempo antes de conhecer finalmente o seu bebé, tomou conhecimento prévio dos seus direitos enquanto mãe trabalhadora – no caso de estar ainda nesta fase, pode ver aqui tudo o que preparámos para si para que não tenha dúvidas – por isso faz todo o sentido que também neste momento saiba com o que pode contar.

Há alguns benefícios previstos que são dados às mães em termos de amamentação e também em caso de doença, consultas ou reuniões escolares, especialmente nos primeiros 12 meses de regresso laboral. Informe-se convenientemente junto das entidades que lhe poderão dar as informações que necessita. São os seus direitos de parentalidade, não os descure.

Da mesma forma, procure, juntamente com o seu chefe, a melhor forma de voltar a estar no ativo. Procure marcar uma reunião atempada com este para se inteirar do plano de trabalho da empresa para os próximos meses e, se possível, retome às atividades laborais aos poucos.

Isto é, antes, da data oficial de retorno, tente ir ao local de trabalho de vez em quando, esteja com os seus colegas e mantenha contacto com estes ou com os clientes por telefone e/ou email. O propósito aqui é que haja um gradiente de aproximação ao trabalho, para que não lhe custe tanto um regresso abrupto.

5. Planeie necessidades práticas

Sejamos sinceras, para além de tudo o que envolve o cuidado a um bebé, as duas principais preocupações das mães que regressam ao trabalho, depois da licença de maternidade são 1) onde vão deixar os seus bebés e 2) como vão alimentá-los. Quanto à primeira questão, há várias opções que lhe assistem.

Desde deixar a criança ao cuidado dos avós – uma solução em tudo reconfortante, mas que, infelizmente, nem todas têm ao seu dispor – ou procurar uma ama de confiança e recomendada ou mesmo uma creche para o pequeno.

Em alguns casos, poderá ser possível deixa-la com o seu companheiro e, para quem trabalha a partir de casa ou em ambientes mais flexíveis, mantê-lo consigo, pelo menos nos primeiros meses de vida.

Em relação à alimentação, se continuar a amamentar, poderá querer planear este momento. Para além do momento de amamentação quando acorda e ao chegar a casa, poderá recorrer a uma bomba para retirar o leite (e estimular a sua produção) e dá-lo ao bebé durante o dia. Sem julgamentos aqui – e como deveria ser em qualquer lugar – o importante é que mãe e o bebé estejam bem, seja qual for o método que decidir seguir. Não há um único caminho certo.

6. Cuide de si

Depois de uma fase de imersão na vida deste novo ser, voltar ao trabalho é também um bom prelúdio para se concentrar um pouco mais em si. Procure regularizar o sono, dentro do possível, regularizando primeiro o sono do seu bebé.

Para além disso, busque ter uma alimentação o mais saudável que consiga e, quando se sentir preparada e confiante para isso, retome à prática de exercício físico. Fará maravilhas pela sua saúde e autoestima.

Não deixe também de ter aquele me time, de quanto a quanto tempo, onde se pode mimar das mais variadas formas. Uma ida a um spa para uma massagem relaxante? Check. Uma tarde com as melhores amigas? É para já. Um final de dia num banho de emersão e com uma máscara no rosto? Já lá estou. Um episódio da sua série favorita? Vamos a isso. Um jantar a dois com o seu parceiro? Estou ansiosa. São apenas algumas ideias.

Por muito fugazes que possam ser estas atividades – e até várias vezes interrompidas – não esqueça nunca de se mimar. Sem culpas.

7. Regularize emoções

O seu bem-estar físico é uma prioridade. O que também é uma prioridade é sentir-se bem psicologicamente. São demasiadas emoções, e muito contraditórias por sinal, é demasiada informação para gerir, várias decisões por dia a tomar e alguém que depende inteiramente de si.

É um mundo que pode assoberbar qualquer um. Se sentir que não está a conseguir lidar com tudo por inteiro, não se sinta atrapalhada por pedir ajuda profissional. Estaria sim, a ser irresponsável se não fizesse tudo por si, pelo seu bebé e pela sua família.

Os profissionais de saúde existem exatamente para prestar auxílio a quem mais precisa. E uma recém mamã de volta ao trabalho pode, muito bem, estar nesta lista. Seja a sua melhor amiga, sempre.

Últimos