Beleza

Double cleansing: o que falta para se render a esta técnica de beleza?

Se quando surgiu era visto como mais uma moda por entre as verdadeiras aficionadas do universo da beleza, agora o double cleansing democratizou-se, ganhou adeptas e está ao alcance, bem, de toda a gente.

Untitled-7 Untitled-7 Untitled-7
Double cleansing: o que falta para se render a esta técnica de beleza?
© shutterstock
Marta Vieira
Escrito por
Jun. 06, 2020

Já percebeu do que estamos a falar? Como o próprio nome indica, double cleansing refere-se à arte de limpar a pele não uma, mas duas vezes. É isso mesmo, percebeu bem.

As nossas rotinas de beleza – ou devemos dizer antes rituais? – são já parte intrínseca do nosso dia a dia, uma forma de autocuidado e mimo essenciais, num tempo que é só nosso e para nós.

A par com o corpo e cabelo, o rosto é talvez a área a que dedicamos mais atenção. E claro, tudo começa com uma boa limpeza. Se tudo o que ambiciona é uma pele verdadeiramente limpa e saudável, oriente-se neste guia que elaborámos para si.

A técnica que tem de conhecer

O método de limpeza de pele de que lhe vimos falar, muito popular entre as asiáticas – e quem melhor do que estas para nos falar de skincare – teve origem enquanto fenómeno na Coreia, mas, entretanto, estendeu-se ao também ao mundo Ocidental.

De facto, esta técnica já usada pelas geishas tornou-se conhecida por integrar o famoso regime de cuidados de pele coreano de dez passos. Está a par?

Mas afinal de que se trata? É tão simples como soa aos seus ouvidos e envolve lavar a cara com dois cleansers. No entanto, para se obter o efeito desejado, estes devem ser de tipos distintos: um primeiro com uma fórmula em óleo e um segundo de base aquosa.

Esta limpeza dupla tem como objetivo principal não só proporcionar uma limpeza mais completa da pele, como iluminá-la e permitir que os produtos posteriores, com os seus ingredientes ativos, penetrem de forma mais eficaz.

Com o cleanser à base de óleo pretende-se remover as impurezas deixadas pela maquilhagem, pelo protetor solar, mas também o próprio sebo e a poluição. De seguida. o cleanser aquoso deverá atuar nos poros em profundidade.

Segundo os especialistas, estes são os dois grandes benefícios em adotar um processo de limpeza do rosto tendo por base duas etapas distintas. A pele é percecionada como uma tela, onde só depois de estar limpa se pode começar o verdadeiro trabalho.

Será para mim?

Apesar desta técnica ser vista mais como um complemento do que uma necessidade maior, a verdade é que certos tipos de pele acabam por beneficiar bastante da mesma.

No caso das pessoas com a pele oleosa, eventualmente duas fórmulas mais suaves para combater o excesso de óleo produzido pela pele serão mais eficazes do que uma única fórmula mais forte, mas que causa secura da mesma.

Igualmente, também quem tem acne pode beneficiar deste método com duas fórmulas leves, de forma a limpar as bactérias da pele e evitar erupções cutâneas.

Para quem é adepta de maquilhagem de maior cobertura, esta poderá também ser uma técnica em tudo aconselhável.

Tipo de produtos

A verdade é que, à partida, uma limpeza dupla da pele não lhe fará mal, desde que os produtos usados tenham fórmulas suaves.

Assim, deverá escolhê-los de acordo com o seu tipo de pele, recorrendo a ajuda especializada para esta decisão se necessário. Apesar de tudo, há normas gerais que pode seguir.

Evite os mal-amados da indústria dermocosmética: sulfatos, fragrâncias e álcool. Os primeiros poderão retirar os óleos naturais da pele. Já os últimos podem irritá-la. Esteja também atenta ao nível de pH dos produtos.

Processo

1º Passo

Tal como já foi referido, os produtos utilizados nesta fase devem ser bálsamos ou fórmulas ricas em óleo (há quem use água micelar). A ideia é dissolver ou “derreter” substâncias como a maquilhagem (mesmo à prova de água) e a sujidade produzida pela pele.

Assim, coloque uma dose deste produto na palma da mão e espalhe gentilmente pelo rosto seco em movimentos circulares. No final, lave abundantemente ou utilize uma toalha de rosto humedecida para o efeito.

2º Passo

Agora, a limpeza quer-se mais profunda, nomeadamente ao nível dos poros. A ideia é que quando a rotina de beleza prosseguir com um tónico, sérum, creme, estes penetrem mais facilmente na pele.

Produtos com fórmulas aquosas como geís, leites ou mousses são os mais indicados. Mais uma vez, colocar uma dose na mão e massajar no rosto seco ou húmido, em alguns casos até criar espuma, retirando depois com água ou com uma toalha humedecida.

Quando usar este método? A ideia será fazer um double cleasing somente à noite. Até porque é nesta altura que a sua pele estará mais sujeita a bactérias e impurezas. Mesmo que não use maquilhagem regularmente, é importante garantir uma boa limpeza ao final do dia.

Quanto ao tempo despendido, será uma questão de hábito, pelo que depressa conseguirá alinhar mais este passo na sua rotina.

Como saber se esta a fazer efeito?

Apesar de tudo, cada caso é um caso e por isso deve testar a pele e perceber como esta reage a mais este passo. Em alguns casos, como peles sensíveis, secas ou com tendência a rosácea, poderá não ser a melhor opção. Mais uma vez, teste.

Ao fim de uma semana, em princípio, já conseguirá avaliar se nota a pele mais brilhante, com menos acne ou simplesmente mais limpa. Se experimentou este método e não está a obter resultados pode ainda:

  • Trocar de produtos;
  • Utilizar um pano, esponja ou gadget apropriado de limpeza em vez das mãos;
  • Testar a limpeza dupla com o mesmo produto.

Se nada resultar, e sem prejuízo maior, poderá sempre retomar à sua rotina de beleza habitual. Et voilà!

Últimos