Viagens e lazer

Faça uma pausa neste refúgio de luxo a uma hora e meia da capital

Dedique-se por completo ao seu bem-estar e beleza num espaço que alude ao relaxamento por inteiro. Um spa que se reinventou e numa piscina interior de fazer suspirar por mais são os pontos altos desta experiência imersiva zen. Já conhece o hotel M’AR De AR Aqueduto? Saiba tudo sobre a nossa viagem a Évora, em pleno clima bucólico e campestre.

Untitled-7 Untitled-7 Untitled-7
Faça uma pausa neste refúgio de luxo a uma hora e meia da capital
© D.R.
Marta Vieira
Escrito por
Fev. 26, 2020

Era uma vez um hotel boutique, uma joia de família que já havia sido um antigo palácio mas que agora contempla uma arquitetura e design contemporâneos e que se localiza em terras classificadas como Património da Humanidade pela UNESCO. Pitoresco o suficiente?

Fomos conhecer o M’AR De AR Aqueduto – Historic Design Hotel & Spa, no centro histórico da cidade de Évora, no Alentejo, e ficámos encantados com as novidades in loco com a clara missão de nos fazer esquecer o rodopio – um eufemismo simpático – que se tornou a vida moderna numa cidade maior.

Sejam bem-vindos

Debaixo da alçada do Aqueduto da Água de Prata situa-se um edifício onde a história e a contemporaneidade se ligam numa comunhão serena e elegante. Chegámos e somos imediatamente recebidos numa sessão de boas-vindas no B’AR Aqueduto, discreto e em tons terra e que conduz a um terraço com perspetiva sob a zona exterior.

O M’AR De AR Aqueduto nasceu de uma vontade familiar em dezembro de 2008. Évora hoteleira está a tentar reposicionar-se para não ser só mais um destino de passagem. Mas mais do que isso, este hotel pretende ser um refúgio de luxo – ao nível das suas cinco estrelas de referência.

De um modo geral, a maioria dos hotéis conterrâneos na cidade fizeram obras estruturais. Um investimento profundo na captação de mais hóspedes e por mais tempo. Uma atualização necessária não só de acordo com as premissas da concorrência, mas muito em resposta às necessidades do mercado nacional e também estrangeiro. Aqui não foi exceção.

Para além dos quartos alterados – 62 no seu todo, nas tipologias clássicos, superiores e suítes, que se iniciam nos 120€ – e que devem a decoração ao ateliê BRANCO sobre BRANCO, a grande novidade que nos traz a este retiro de beleza luxuriante é a recém-inaugurada piscina interior.

Uma criteriosa análise de mercado apontou para esta necessidade. Um projeto do arquiteto Nuno Narciso, que depois de alguns constrangimentos arqueológicos, se materializou finalmente no mês passado.

Um spa que apetece

Iniciamos esta jornada propriamente dita no renovado SPA Aqueduto. Outra das novidades.

Parte integrante do M’AR De AR Aqueduto desde a sua abertura, vê agora a sua carta de tratamentos renovada. À luz ambiente, pauta-se por um clima de total relaxamento, onde falar num tom mais elevado é quase um sacrilégio.

Iniciamo-nos num ritual de boas-vindas, onde nos são lavados e massajados os pés numa espécie de taça grande tibetana, com pétalas de flores e água morna.

De seguida, rendemo-nos às mãos de uma das terapeutas e ao som de um piano suave. 50 minutos depois, temos a certeza de estar num corpo renovado e com a pele totalmente revitalizada.

Desfrutámos de uma massagem de relaxamento denominada Garden of England Rose Restore (80€ para este tempo ou na versão 80 minutos, a 125€). Se um dos propósitos era que, ainda que por momentos, esquecêssemos a vida lá fora e nos deixássemos ir, então concretizou-se em pleno.

O alivio muscular sentido é imediato e os aromas ativos reconfortantes. Já os movimentos deslizantes foram possíveis graças ao óleo de monoi da Elemis, marca aliás consagrada pelo spa e cujos produtos de podem adquirir no mesmo. No total existem três salas de tratamento individuais, para além claro da sauna, banho turco, duche Vichy (uma massagem específica com água), ginásio e agora piscina interior. É para lá que seguimos.

M'AR De AR Aqueduto piscina

© D.R.

Recém-inaugurada, era a peça chave a fazer falta a este puzzle hoteleiro de luxo. Não espere uma piscina olímpica infinita, renda-se antes à qualidade over quantidade, num clima recatado e tranquilo, no fundo sem grandes pretensões.

O circuito de águas é composto por um cascata, dois canhões e três cadeiras de massagem de ar submersas. O teto panorâmico com vista para os jardins das laranjeiras é um plus.

O horário de funcionamento do spa é das 10h às 20h e o da piscina das 8h às 20h – na temporada de verão este horário é alargado. Quem usufruir de uma massagem (a partir de 50€) tem por cortesia o uso das piscinas. Por sua vez, quem desejar somente experimentar o circuito de águas (com acesso à sauna, jacuzzi e banho turco) despenderá 35€ por 90 minutos.

A Despedida

Findada a experiência principal que nos trouxe aqui, reserva-se a hora de jantar, não menos relevante. O restaurante Degust’AR deve a sua carta ao chef António Nobre, que entretanto se encontra ao leme no restaurante Degust’AR em Lisboa, e que já trabalha com a rede hoteleira há cerca de 20 anos, tendo começado no homónimo M’AR De AR Muralhas, também em Évora.

Num ambiente requintado e intimista – como aliás, tudo neste hotel – somos presenteados com tetos altos em abobada e alguns frescos pontuais. Seque-se o primeiro menu de degustação do restaurante (existem duas opções) que se rege, ora pois, pela cozinha alentejana, com inspirações nos sabores mediterrâneos.

As vieiras coradas em manteiga de noz com creme de couve-flor, laranja e limão deram lugar a uma sapateira em massa folhada estaladiça. Como prato principal deleitamo-nos com um salmonete acompanhado por mousse de aipo, legumes e molho de lagostim, e na carne esperava-nos um naco de lombo de novilho com crosta de farinheira com batata, cogumelos, espinafres e castanha.

Por fim, resta-nos relembrar o gelado de poejo e maçã seguido por um trio de doces conventuais – encharcada, sericaia e sopa dourada – com sorvet de limão. como sobremesas. Este menu tem o custo de 42€, sem vinhos incluídos.

restaurante DegustAR

© D.R.

Embora se mantenham os clássicos da carta, esta é alterada semestralmente. Os produtos? Regionais, como seria de antever. Em relação aos vinhos, privilegiam-se os pequenos produtores – a garrafeira é composta por 150 referências das várias regiões do país. O horário é das 12h30 às 15h e das 19h às 23h30.

Findada a nossa experiência de relaxamento neste antigo palácio, somos presenteados com um sono de realeza e onde, na manhã seguinte, não faltou um pequeno-almoço dos deuses. Uma oportunidade de ouro para recarregar baterias e dar o merecido descanso (e tratamento) ao corpo e à mente.

Quer procure a plenitude de uma sessão de autocuidado a sós ou a desculpa perfeita para um tempo romântico a dois, o M’AR De AR Aqueduto recebe-a com a maior das cortesias e luxo, com a descrição que lhe é tão caraterística.

Últimos