Relações e família

Como evoluir em conjunto com o seu parceiro sem perder a individualidade

Quando se está numa relação, há toda uma aprendizagem conjunta que fortalece o casal. Fazer coisas a dois é importante, claro, mas perder a individualidade mata, aos poucos, a atração.

Untitled-7 Untitled-7 Untitled-7
Como evoluir em conjunto com o seu parceiro sem perder a individualidade
© Getty Images
Escrito por
Jan. 22, 2020

As histórias infantis das princesas e príncipes que povoaram a nossa infância terminam sempre com um casamento e um remate final de “viveram felizes para sempre”. Mas, na vida real, o viveram felizes para sempre implica muito trabalho, muitas cedências, muitas conquistas.

O encontro de dois seres que se apaixonam é sempre o princípio de um longo e sinuoso caminho, construído passo a passo, e que implica muito investimento de ambas as partes.

A caminhada conjunta não se rege, nem podia, por uma receita única que funciona de igual forma para todos os casais. Crescer a dois e conseguir fazer evoluir uma relação é o resultado de uma dinâmica única de cada casal, uma descoberta feita em conjunto.

Diana Gaspar, psicóloga e autora do livro Crónicas de Uma Vida Que Se Vive Todos os Dias, alerta, porém, que aquilo que funciona para uns não funciona para outros. “Não devemos, por isso, comparar a nossa relação com a dos nossos amigos, por exemplo. Cada casal pode e deve encontrar o seu próprio modelo, aquele que melhor funciona para si”, afirma.

Os relacionamentos precisam de tempo, de cuidados diários, de diálogos, de silêncios, de olhos nos olhos, de roupa aprimorada, de roupa caseira e da ausência de roupa – Diana Gaspar, psicóloga

Investir na relação

Para a psicóloga, há que perceber que na base de uma relação está a aceitação de que nunca se ganha se não se perder alguma coisa. Tem de haver “investimento de tempo e investimento emocional. Não posso semear algo e esperar que cresça sem regar”, afirma.

E escreve até nas suas crónicas: “Os relacionamentos precisam de tempo, de cuidados diários, de diálogos, de silêncios, de olhos nos olhos, de roupa aprimorada, de roupa caseira e da ausência de roupa. Precisa de estar em casa e de sair à rua, de diálogos e de silêncio, de verdade e de partilhas, e acima de tudo de um projeto construído pelos dois”.

E é isto que, para Diana Gaspar, representa investimento. Uma comunicação fluida e aberta é outra das fundações essenciais para que uma relação floresça e se torne sólida, sobretudo no que respeita a ter um projeto de vida comum.

É tão importante investir na relação como investir no crescimento individual, isso é uma certeza – Diana Gaspar, psicóloga

Manter a individualidade

Fazer cedências em prol dos dois, prescindir de algumas liberdades (como sair todas as noites com os amigos, por exemplo) em função do crescimento da relação é um fator decisivo, mas acabar com a sua individualidade para agradar ao outro também não é o melhor caminho. “É tão importante investir na relação como investir no crescimento individual, isso é uma certeza” explica Diana Gaspar.

Esta psicóloga alerta que há erros que devem ser evitados a todo o custo nas relações que se pretendem solidificar.

No início, há a tendência para o casal viver um para o outro, isolando-se um pouco do mundo. Envolvem-se tanto que a personalidade individual tende a desaparecer. E, num primeiro momento é, até, algo normal. Mas com o passar do tempo é importante combater esta anulação inicial porque a subjetividade e a individualidade de cada um dos elementos do casal são fundamentais para criar desejo.

A admiração mútua tem de ser alimentada e, para isso, não nos podemos subjugar à vontade do outro, pois é esta admiração que alimenta a paixão e o desejo, explica Diana Gaspar. Ora, se, pelo contrário, a longo prazo, cada um for deixando de fazer as suas coisas e viver apenas para a relação, tentando sempre colmatar as necessidades do outro, acaba por perder a sua essência e isso mata a magia inicial do relacionamento, aquilo que uniu o casal.

Devemos perceber que temos de gostar de nós para que o outro também goste – Diana Gaspar, psicóloga

Diga não à manipulação

“Fazer coisas sozinhos, jantar com amigos, fazer planos em separado, ajuda a que haja distanciamento e dá lugar à saudade. Quando estamos juntos a todas as horas e contamos tudo um ao outro – agora com as redes sociais e os smartphones isso está sempre a acontecer, sabemos sempre onde está o outro –, acabamos por ter menos assunto de conversa e instala-se a rotina”, refere Diana Gaspar.

O desconhecido, a descoberta do parceiro, é um fator de atração importante e, quando não há experiências novas, a monotonia invade o casal. “Se não há distância relacional, não se aguça o desejo, e a relação acaba por sufocar”, explica a psicóloga.

Há ainda que ter cuidado para não deixar o relacionamento cair no perigo da manipulação. Frases como “se vais sair com os teus amigos é porque já não gostas de mim” é uma tendência habitual para alguns casais.

Com isto surge o medo da perda e, consequentemente, a dependência do outro. Esta situação não ajuda ao fortalecimento da relação, até porque este desequilíbrio não é saudável para nenhuma das partes envolvidas.

“Devemos perceber que temos de gostar de nós para que o outro também goste. Há que ter a consciência que não é o amor de alguém que nos vai trazer aquilo que nos falta, não é aquela relação que nos vai dar tudo aquilo de que precisamos. Isso é algo que temos de encontrar em nós mesmos. E dizer ‘não’ não faz com que o outro goste menos de nós. Por esse motivo, também temos de saber dizer ‘não’ quando é necessário para que a relação se fortaleça”, remata a psicóloga.

Últimos