Dinheiro

52% dos homens não acredita na desigualdade salarial entre géneros

A desigualdade salarial está longe de ter um fim. Pelo menos enquanto existir uma percentagem tão elevada de homens que ainda duvidam da existência desta diferença entre os géneros. É esta a conclusão de vários estudos que se dedicaram a investigar este assunto.

Untitled-7 Untitled-7 Untitled-7
desigualdade salarial
Vanessa Pina Santos
Escrito por
Jun. 28, 2019

De acordo com um relatório realizado pela Hays, a maioria dos homens portugueses considera que não há diferenças de salário e de oportunidades de carreira entre o género masculino e feminino. Apenas 38% dos inquiridos admitiu existir discrepâncias.

Este número aumenta quando a pergunta é sobre a igualdade de oportunidades na carreira. Neste caso, 70% dos homens considera que as mulheres têm as mesmas oportunidades de carreira que o sexo masculino.

Outro inquérito, realizado nos Estados Unidos da América, também revelou que 47% dos homens inquiridos afirma que a desigualdade salarial entre os géneros já desapareceu.

A maior parte dos descrentes acredita que a diferença salarial “é feita para servir um propósito político“. Sendo que 21% dos inquiridos acha que a maioria das notícias sobre a desigualdade salarial são falsas.

Apesar de os homens considerarem que a desigualdade salarial entre géneros não existe, outros estudos mostram que a realidade é outra. De acordo com dados do Eurostat, de 2016, por cada euro pago a um homem em Portugal, uma mulher recebia 82,5 cêntimos. Daí a importância de haver homens feministas.

“Em 2016, 80% dos homens inquiridos respondeu que existia igualdade salarial” – Relatório: Igualdade de Género no Mundo do Trabalho

Mas nem tudo é mau. O relatório da Hays veio também mostrar que a abertura para o debate sobre a desigualdade salarial tem vindo a mudar mentalidades.

“Em 2016, 80% dos homens inquiridos respondeu que existia igualdade salarial. Em 2017, estes dados sofrem uma queda de 28 pontos percentuais e apenas 52% considera existir igualdade salarial entre géneros”, lê-se no relatório.

Este estudo levanta uma questão pertinente: será que “a abertura deste debate ao público fez com que os indivíduos passassem a estar a par deste problema? Ou será que há um aumento do problema em si?”, lê-se no relatório da Hays.

Por enquanto, o que se sabe é que as previsões para Portugal não são muito positivas. De acordo com estudos europeus, Portugal tem uma das maiores taxas de desigualdade salarial, entre homens e mulheres, do mundo.

Fontes: Relatório – Igualdade de Género no Mundo do Trabalho; Estudo Global Wage Report; Inquérito SurveyMonkey

Saiba, ainda, o que tem de mudar para alcançarmos a igualdade de género. 

Últimos