Dinheiro

Ano novo, vida nova. Dicas de poupança para começar a amealhar a sério

O arranque para mais um ano é uma boa desculpa para rever o seu plano de poupança. Siga as nossas dicas para aumentar o seu pé de meia em 2019.

Untitled-7 Untitled-7 Untitled-7
dicas de poupança
Escrito por
Dez. 27, 2018

Não são as decisões de Ano Novo que mais interessam: é mais importante fazer compromissos que consiga cumprir. Siga as nossas recomendações para conseguir poupar mais em 2019.

6 dicas de poupança para aumentar o seu pé de meia

1. Pague primeiro a si

Assim que receber o salário, reserve logo uma porção para o seu futuro. Faço-o antes de pagar qualquer fatura ou de gastar nas compras.

Quanto mais automatizada for essa reserva (como uma ordem mensal de aforro ou de transferência para a conta de investimentos), menos probabilidades há de falhar a poupança.

2. Deixe o dinheiro longe da vista

Para evitar cair na tentação de mexer na sua poupança, não deixe o dinheiro livremente na sua conta à ordem. Crie uma conta de poupança para a qual transferirá todos os cêntimos que conseguir guardar.

Não deve constituir uma conta de poupança apenas pelos juros (o melhor que consegue é uma taxa anual bruta de 1% no Banco CTT); serve para garantir que o dinheiro não fica ao alcance do seu cartão bancário.

3. Aponte para 10% de poupança – pelo menos…

As famílias portugueses poupam, em média, pouco mais de 5% do que recebem. A maioria dos economistas defende que é uma taxa de poupança baixa, que deveria estar mais próxima de 10%. Por isso, procure amealhar 10 euros por cada 100 euros que recebe em salários ou noutros rendimentos.

4. Corte primeiro no que é garantido

Reduzir nos gastos exige sacrifícios: menos roupa, menos viagens ou menos restaurantes, por exemplo. Alguns sacrifícios podem ser menores (como um consumo inteligente de eletricidade ou água), mas o impacto é também menos expressivo.

Prefira mudanças que garantam o máximo de retorno pelo menor esforço. Por exemplo, porquê continuar a ter uma conta-base no banco, que representa um custo anual de cerca de 63 euros, quando pode ter contas e serviços bancários gratuitos (no ActivoBank ou no Banco CTT)?

Mesmo que queira continuar a ser cliente do mesmo banco, transforme a sua conta numa de serviços mínimos bancários, mesmo que tenha um crédito à habitação. Paga anualmente 3,44 euros, em média. Em 2019, por lei, a comissão máxima anual é de 4,36 euros.

5. Aumente os seus rendimentos

Não consegue cortar mais nos gastos? Então precisa de aumentar os rendimentos para conseguir incrementar a poupança. Em alguns casos, nem precisa de trabalhar mais para expandir os rendimentos.

Se é uma adepta dos cartões bancários, selecione um que tenha uma elevada devolução do montante pago nas compras. Os cartões Affinity Card (contratado nas lojas do grupo Inditex, como Zara, Bershka e Oysho), Cofidis e Black (da Cetelem) são os mais generosos: devolvem até 3% dos gastos.

6. Simplifique o seu dinheiro

Quando chegar a altura de aplicar o dinheiro que conseguiu juntar, prefira as soluções mais simples e baratas. Como regra, contrate contas de poupança, depósitos à ordem remunerados, depósitos a prazo simples, Certificados de Aforro ou do Tesouro se for precisar do dinheiro nos próximos cinco anos. Sítios como o Doutor Finanças e o ComparaJá compilam listas dos depósitos mais rentáveis.

Para mais de cinco anos, estude os fundos de investimento. Quanto mais tempo tiver para capitalizar as poupanças e quanto menos avessa ao risco for, maior a percentagem do património que deve estar exposta às bolsas mundiais, que fornecem potenciais de retorno mais elevados no longo prazo.


 

Além destas dicas de poupança simples, conheça outros ideias para poupar dinheiro todos os meses.

Últimos