Estes são os sinais de depressão aos quais deve estar atenta

A depressão é uma das perturbações mentais comuns que está a aumentar em todo o mundo e Portugal não é exceção. Sendo as mulheres o género mais afetado por esta doença, saiba ao que deve estar atenta e onde procurar ajuda.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a depressão pode levar ao suicídio, sendo atualmente a segunda principal causa de morte entre os 15 e 29 anos de idade, em termos mundiais. É ainda considerada por esta organização como o maior contribuinte da incapacidade para a atividade produtiva.

Está ainda comprovado que existe maior incidência desta doença no sexo feminino do que no masculino, na proporção de 2:1, refere à Saber Viver Chantal Feron, psicólogia clínica no Hospital CUF Infante Santo e Clínica da Miraflores.

Sinais e sintomas da depressão

Os sintomas de depressão podem variar. Contudo, Chantal Feron especifica que entre os mais comuns, estão:

 Sensações de desesperança e desamparo;
 Tristeza persistente;
• Pensamentos negativos fatalistas e catastróficos;
• Ruminação das preocupações;
• Baixa autoestima;
• Perda do prazer em atividades de rotina;
 Irritabilidade;
• Problemas de atenção;
• Concentração e memória;
• Dificuldade na tomada de decisão.

A depressão na mulher: as causas

Porque é que as mulheres são mais afetadas com esta doença do que os homens? “Os principais preditores para a vulnerabilidade da mulher à depressão são acontecimentos de vida traumáticos, fatores genéticos, história anterior de depressão e uma maior tendência para um estado emocional negativo ao longo da sua vida”, explica-nos a especialista.

“Têm se colocado diversas hipóteses na procura de fundamentação” dessas divergências, adianta Chantal Feron. Podemos dividi-las em causas psicossociais e biológicas.

“As primeiras têm que ver com a maior ruminação de ideias negativas por parte das mulheres e uma maior capacidade, por parte dos homens, de lidar com essas ideias através do enfrentamento e de estratégias de evitamento dos pensamentos negativo”, esclarece.

“Por outro lado, existe um peso cultural, proveniente da existência de diferentes papéis e crenças sociais em relação a cada género e suas distintas exigências”, adianta a psicóloga.

É fundamental pedir ajuda médica e psicológica em caso da persistência de sintomas como choro fácil, péssimismo, sentimentos de culpa, angústia ou alterações do humor súbitas – Chantal Feron, psicólogica clínica

Menstruação, gravidez e menopausa: períodos críticos

As causas biológicas estão relacionadas com “fortes alterações hormonais a partir da adolescência e nas funções reprodutivas das mulheres”, explica.

“Durante o período pré-mentrual, há alterações do humor, com irritabilidade e labilidade emocional, depressivo e ansioso. São geralmente transitórias e caracterizam-se por uma certa intensidade que se pode manifestar como hiperactividade ou agressividade dirigida maioritariamente contra as pessoas de maior proximidade afectiva”, refere a médica.

A gravidez, o parto e o pós-parto “são períodos de alta vulnerabilidade” também, adianta.

Também a menopausa “é uma fase crítica da vida da mulher, onde se torna evidente a interligação entre os aspectos biológicos e as características psicossociais deste período”. É esta a fase que marca o final da vida reprodutiva e início do envelhecimento, exigindo, por isso, diversas adaptações.

“Surge o confronto com o fim da juventude, os filhos crescem e emancipam-se, a geração anterior envelhece e surge a necessidade de cuidar”, papel que cai geralmente na mulher, recorda a especialista. “As relações conjugais estão por vezes desgastadas ou rompem-se”.

“É fundamental pedir ajuda médica e psicológica em caso da persistência de sintomas como choro fácil, péssimismo, sentimentos de culpa, angústia ou alterações do humor súbitas”, adverte a especialista.

Combater a depressão

“As principais formas de combater e tratar a depressão são o uso de medicamentos antidepressivos combinados com psicoterapia, além de mudanças no estilo de vida“, explica a psicóloga clínica Chantal Feron. “Consulte um psicólogo ou psiquiatra, para o problema e sua severidade serem diagnosticados, de forma a ser recomendado o tratamento mais adequado e eficaz que, frequentemente, passa pelo acompanhamento de ambas as especialidades”.

Associações e linhas de apoio

 ADEB – Associação de Apoio aos Doentes Depressivos e Bipolares: está presente em várias cidades e dá resposta de apoico psicossocial com consultas através do site.

• Centro SOS-Voz Amiga: ajuda na solidão, ansiedade, depressão e risco de suicídio. Contactos: 21 354 45 45/91 280 26 69/96 352 46 60 (das 16h às 24h);

• Conversa amiga:  808 237 327 ou 210 027 159 (das 15 às 22h);

• SOS Estudante: 239 484 020 (das 20 à 1h);

• EUTIMIA

Linha Saúde 24, disponível em permanência através do 808 24 24 ou do site: em caso de crise emocional aguda

Serviços de urgência hospitalar com valência de psiquiatria, das 9 às 20h;

Fontes: OMS Portugal, Associação de Apoio aos Doentes Depressivos e Maníaco-Depressivos (ADEB), 2013; Gonçalves, B e col., Prevalência e diagnóstico da depressão em medicina geral e familiar, Rev Port Clin Geral 2004;20:13-27; American Psychological Association; DGS; American Psychological Association; A depressão e a mulher na sociedade moderna; Depressão e género: por que as mulheres deprimem mais que os homens?; A depressão nas mulheres de meia-idade: Estudo sobre as utentes dos cuidados de saúde primários;

A ansiedade é outra das perturbações mentais comuns que tem crescido em Portugal. Descubra os seus níveis de ansiedade com este quiz.

Mais sobre doença , mente e emoções

Comentários

Estes são os sinais de depressão aos quais deve estar atenta

Os comentários podem ser editados por questões de clareza e para permitir respostas mais gerais.