© Unsplash/Carolina Carvalhal

#desafioaceite. Passei uma semana sem redes sociais (e sobrevivi)

Quando aceitei fazer este desafio, nunca pensei que seria tão difícil. Em jogo, esteve uma semana sem ter qualquer contacto com o Facebook e o Instagram.

#desafioaceite é uma rubrica que tem como objetivo mostrar como podemos desafiar-nos a nós próprias, explorando situações fora da zona de conforto. Este desafio também pode ser seu. Partilhe connosco a sua experiência.

Em comparação às pessoas que me rodeiam, posso dizer que entrei no mundo das redes sociais relativamente tarde. Em 2011, comecei a utilizar o Facebook e, passados três anos, em 2014, descobri o Instagram.

Entre estas duas aplicações, a que mais utilizo é, sem dúvida, o Instagram. O Facebook já deixei de lado faz tempo, mas posso dizer que foram tempos felizes.

Todos os dias o ritual era o mesmo: acordava fazia scroll down. Nos transportes, à hora de almoço e antes de adormecer, também era esta a regra.

Sempre achei que a minha relação com as redes sociais era saudável, até o meu namorado (que não tem conta de Instagram) começar a dizer que eu estava a perder muito tempo nesta rede social. Como qualquer toxicodependente, neguei sempre, dizendo-lhe que, enquanto “estava a perder tempo”, divertia-me ou encontrava inspiração para algo.

Ele continuava sem perceber e eu, para ser realmente sincera, sentia que o Instagram estava a causar-me uma certa ansiedade e cansaço.

Todos os dias o ritual era o mesmo: acordava, fazia scroll down. Nos transportes, à hora de almoço e antes de adormecer, também era esta a regra.

Afinal, o que tinha eu tanto para ver? Geminiana como sou e, ainda por cima, com mercúrio em gémeos, informação para mim é como se fosse a última coca-cola do deserto. O problema é conseguir gerir e filtrar este conteúdo todo. O excesso de tempo que passava no Instagram a absorver informação que não conseguia gerir, estava a causar-me o tal stresse e ansiedade, sem que me apercebesse.

O que senti depois de estar fora do Instagram e do Facebook

Os primeiros três dias foram claramente os piores. Sentia-me meio perdida, sem saber o que fazer nos ‘tempos mortos’. Viagens de transportes públicos, compassos de espera pelo Uber Eats ou conversas que queremos evitar, podem ser verdadeiras ameaças para quem tenta fazer um detox das redes sociais.

Para complicar a minha situação, este período de abstinência coincidiu com a mudança para um apartamento novo. Enquanto estava no meio de malas, com tudo por arrumar, apeteceu-me muito fazer uma pausa e percorrer o feed do Instagram. Eram só cinco minutos para tentar fugir da realidade que tinha de enfrentar. Mas, fui forte e resisti!

O Instagram não me permitia estar em tempo presente. Sempre que me sentia aborrecida, recorria a esta aplicação porque não queria e nem sabia lidar com esta sensação.

Esta pausa, nas redes sociais, funcionou quase como aqueles casais de namorados que pedem um tempo para avaliar a sua relação. Nunca fui uma pessoa ‘de tempos’, mas confesso que esta pausa, principalmente com o Instagram, fez com que chegasse a várias conclusões sobre a relação que andava a manter com esta rede social.

A principal e mais grave: o Instagram não me permitia estar em tempo presente. Sempre que me sentia aborrecida, recorria a esta aplicação porque não queria – nem sabia – lidar com esta sensação. O feed de notícias estava pronto para me salvar, como um filtro que salva fotografias. Mas a verdade é que, mesmo assim, o aborrecimento não desaparecia e só criava mais stresse.

Para mim tornou-se claro que estava viciada, quando sem pensar e, de uma forma quase automática, acabava por abrir a aplicação.

Se as redes sociais estão a tirar-nos do “agora”, como podemos ter tempo para refletir, chegar a conclusões e ter novas ideias?

Para mim tornou-se claro que estava viciada, quando, sem pensar e, de uma forma quase automática, acabava por abrir a aplicação. Como quem muda os copos de prateleira, mas continua a ir à mesma porque o cérebro já criou uma habituação.

Fiquei em choque quando vi que o Instagram estava a enviar-me notificações para me informar que os meus amigos próximos tinham “adicionado recentemente conteúdos às suas histórias”. Do género: “onde andas? A tua vida está aqui!”

Nesse momento, tive a sensação que estava mesmo a perder algo, mas sempre consciente que todas estas sensações eram uma estupidez. E pensei, mais uma vez: o estaria eu a perder verdadeiramente?

Como nem tudo foi mau, de seguida, partilho as vantagens deste divórcio momentâneo, com as redes sociais.

Pontos positivos deste #desafioaceite

1. Levantei-me mais cedo e, em alguns dias, até tomei um pequeno-almoço mais demorado. O Instagram faz com que fique na cama por mais tempo;

2. Voltei a ler livros com os quais já me tinha comprometido;

3. Os memes são algo incrível e do qual tive saudades;

4. Tentei meditar mais vezes, através de aplicações ou mesmo de sites;

5. Estive mais atenta às pessoas ao meu redor, de uma forma geral;

6. No final, senti-me mais relaxada e comprometi-me a fazer um uso mais consciente das minhas redes sociais, evitando dedicar-lhes tanto tempo por dia.


Qual é a sua relação com as redes sociais? Leia ainda a crónica que nos faz refletir sobre o que é que o Instagram já fez por nós.

 

Mais sobre sites e apps

Comentários

#desafioaceite. Passei uma semana sem redes sociais (e sobrevivi)

Os comentários podem ser editados por questões de clareza e para permitir respostas mais gerais.