Sociedade

Editorial de fevereiro: O amor não é óbvio

As palavras da diretora da Saber Viver na edição de fevereiro da revista.

Untitled-7 Untitled-7 Untitled-7
Editorial de fevereiro: O amor não é óbvio Editorial de fevereiro: O amor não é óbvio
© Unsplash
Tânia Alexandre
Escrito por
Jan. 23, 2022

Fevereiro é tradicionalmente um mês em que todas as revistas no mundo falam de amor. Há quem defenda que já se disse tudo sobre o sentimento que é “fogo que arde sem se ver”; eu acho precisamente o contrário, até porque o amor é tudo menos óbvio.

Independentemente da idade que tenhamos, todas suspiramos com histórias de amor perfeitas, desejamos ter uma relação onde tudo acontece como nos filmes ou na música que acreditamos ser uma espécie de banda sonora da nossa vida.

Acredito verdadeiramente em histórias de amor e em finais felizes, mas não me deslumbro com a ideia de que há casamentos ou relações perfeitas. O primeiro passo para uma relação feliz e saudável passa por ter precisamente consciência disso e de que o amor precisa de ser refletido, alimentado e construído todos os dias. Não deve ser tido como assegurado, sob pena de cair na perigosa monotonia que o destrói.

Por tudo isto, não poderíamos deixar de falar de amor nesta edição: preparámos para si sugestões para namorar e alimentar o romance, mas também artigos sobre o amor ou ausência dele, o compromisso e relações sem perspetivas de futuro, a dificuldade em colocar o ponto final e ainda sobre desejo e sexualidade no casal – temas que a ajudarão a cuidar da sua relação mas também de si própria.

Se me permite citar uma frase – e que ajuda a resumir o que disse acima –, “Amar não é aceitar tudo. Aliás: onde tudo é aceite, desconfio que seja amor” (Vladimir Maiakóvski).

Ter uma atitude mais sustentável e consciente já não é uma escolha ou algo que se possa decidir ter ou não ter. É uma necessidade

Nesta edição, também gostaria de destacar o artigo O futuro do trabalho é feliz. Isto porque se fala muito de bem-estar associado ao tempo livre, às relações pessoais, mas pouco do bem-estar em contexto de trabalho. Entre inúmeras mudanças e desafios que temos vindo a sentir nos últimos dois anos – ora ficamos em teletrabalho, ora voltamos para o presencial – , este é um tema a que devemos dedicar uma reflexão mais profunda.

Felizmente que a cultura do bem-estar está a chegar às empresas. Há já exemplos de sucesso em Portugal, onde a motivação do trabalhador, a realização profissional, a valorização e o reconhecimento do desempenho no trabalho são fatores cada vez mais considerados pelas empresas. Quem sabe não se torna num chief happiness officer? – veja a página 66.

O que pode encontrar nas páginas da Saber Viver de fevereiro (nas bancas)

Por falar em futuro, destaco também a nova rubrica da Saber Viver sobre sustentabilidade e ecorresponsabilidade. Passamos a trazer-lhe todos os meses entrevistas, crónicas, novidades e conselhos para uma vida mais sustentável. Falar destes temas sempre fez parte da missão editorial da Saber Viver e agora cada vez mais!

Acreditamos que Saber Viver é também ter hábitos mais sustentáveis. É aprender a reduzir, a minimizar o impacto ambiental das nossas ações e a estarmos conscientes de que somos parte da mudança e que ela começa em casa, no trabalho, na escola, no nosso bairro!

Ter uma atitude mais sustentável e consciente já não é uma escolha ou algo que se possa decidir ter ou não ter. É uma necessidade!

A edição de fevereiro da Saber Viver já está nas bancas, num local perto de si.

Últimos