Saúde

Herpes. Saiba tudo sobre o vírus que provavelmente todas temos

Ao contrário do que pensamos, o herpes não é apenas um vírus, é uma família deles. E sabia que, após o contágio, não é possível curar a infeção? Mas nem todos sofrem com os sintomas. Eis o que precisa de saber.

Untitled-7 Untitled-7 Untitled-7
tudo o que precisa de saber sobre o herpes
Escrito por
Vanessa Raminhos
Jul. 16, 2019

Já todas ouvimos falar de herpes (e muito provavelmente somos portadoras do vírus), mas será que sabemos tudo o que precisamos?

O Herpesvirus é uma família de vírus, à qual pertencem, pelo menos, oito espécies responsáveis por infeções nos humanos. A mais comum é a Herpes Simplex, responsável pelas infeções mais conhecidas: o herpes labial e genital.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que cerca de 90% da população mundial esteja infetada com herpes. Os dados dão conta de 67% dos indivíduos infetados com herpes labial e 31,5% com herpes genital, sobretudo em África e na América.

Que tipos de herpes existem?

Vírus Herpes Simplex (HSV-1 e HSV-2): é o tipo de herpes mais comum – labial ou genital.

• Vírus Varicella Zoster: é o mesmo vírus responsável pela varicela e a sua reativação leva ao aparecimento de uma infeção por herpes zoster.

• Vírus Epstein Barr: é o vírus responsável por doenças como mononucleose infecciosa (“doença do beijo”).

• Citomegalovírus: transmite-se por via sexual e a sua infeção é, normalmente, assintomática.

• Herpesvírus humano 6 e 7: é o vírus responsável pela roséola infantil, que se manifesta com febres altas.

• Herpesvírus humano 8: é o responsável pelo sarcoma de Kaposi, um tipo de cancro de pele, caracterizado por zonas róseas, avermelhadas ou roxas ou inchaços na pele.

Fonte: Manual MSD – Versão Saúde para a Família

Quais são os sintomas?

Apesar de a família de herpesvírus ser extensa, quando se pensa em herpes pensamos habitualmente em dois tipos: o herpes labial e o genital.

O primeiro caracteriza-se pelo aparecimento de pequenas bolhas com líquido e ardor ou sensação de queimadura local nos lábios e região perioral. Estes sintomas podem durar até uma semana e resolvem-se com a formação de crosta no local.

Já o herpes genital caracteriza-se pelo aparecimento de pequenas manchas vermelhas na área genito-anal. Sobre estas, surgem pequenas bolhas que rompem e dão origem a feridas que causam uma sensação de queimadura, ardor ou picada.

Estas bolhas desaparecem ao fim de uma a duas semanas de forma espontânea e sem deixar cicatriz. Evolui por surtos e o intervalo entre eles pode ser variável. Mas há outras causas de desconforto vaginal.

Apesar de devermos estar atentas a estes sintomas, é possível ser-se portador do vírus de forma assintomática. “Após o primeiro contacto com herpes, o indivíduo torna-se portador e pode transmitir o vírus a outras pessoas, por contacto íntimo, pele com pele/mucosas ou em relacionamento sexual“, explica Rita Travassos, dermatologista no Hospital CUF Descobertas.

Os surtos. O que causa o herpes labial e genital?

Os sintomas de herpesvirus costumam aparecer mais frequentemente em situações em que ocorra baixa imunidade. “Stresse, frio ou calor são fatores associados a surtos de herpes labial”, explica Rita Travassos.

Procedimentos dermatológicos ou estéticos, como laser de ressurfacing ou peelings, podem desencadear um “surto de herpes com aparecimento de vesículas em toda a face”, completa a dermatologista.

No caso do herpes genital, as recorrências são mais frequentes e a presença de outras doenças sexualmente transmissíveis, como o vírus da imunodeficiência humana (VIH) aumentam a sua contagiosidade.

E na gravidez, há cuidados extra?

A dermatologista do Hospital CUF Descobertas alerta que uma mulher grávida “pode transmitir a infeção herpes genital ao bebé, especialmente se a infeção for adquirida no final da gravidez, próximo do parto”.

Rita Travassos aconselha ainda que a gestante evite o “contacto sexual com parceiro com herpes genital a partir do terceiro trimestre”, sobretudo se não tiver histórico de herpes genital, para reduzir o risco de infeção neste período. Descubra ainda outros cuidados a ter para uma vagina saudável.

Como tratar?

O principal tratamento consiste na toma de antivirais sistémicos e a dermatologista desaconselha o uso de antivirais tópicos.

“Desconheço a evidência científica de tratamentos caseiros”, afirma Rita Travassos. E explica que a para quem tem surtos frequentes, a terapêutica deve ser feita através de “antivirais orais (aciclovir ou valaciclovir), com dose e duração de tratamento variável”.

Sabia que…

• Não é possível curar a infeção 

Podem encurtar-se a duração e gravidade dos episódios e alargar os intervalos assintomáticos, mas não é possível curar o herpes. Uma vez adquirida a infeção, será sempre portador.

• As pessoas portadoras do virus podem nunca desenvolver um sintoma

O virus pode ficar latente durante anos e nunca provocar sintomas.

• Dois terços da população até 50 anos tem herpes labial

Segundo um estudo feito em 2015 pela OMS sofre de herpes labial, depois de o contrariar durante a infância.

• Aplicar gelo, vinagre, álcool, tópicos com mentol ou cânfora não curam a infeção

Caso esteja a passar por um surto de herpes, apenas o tratamento com antivirais pode acelerar a resolução dos episódios. Caso suspeite que esteja infetado com algum tipo de herpesvirus, deve consultar o seu médico assistente ou um dermatologista.

• Usar o preservativo não impede a transmissão de herpes genital

O uso do preservativo previne apenas parcialmente a transmissão do vírus. Se for portadora do vírus ou caso o seu parceiro ou parceira seja, o melhor a fazer é evitar o contacto sexual durante o período de surto. 


Costuma sofrer com os sintomas de herpes? O stresse não ajuda. Incorpore estes exercícios no seu dia a dia.

Últimos

O que fazer no fim de semana de 18 a 20 de outubro
Cultura
O que fazer no fim de semana de 18 a 20 de outubro
Cansada dos depósitos? Não ponha ainda o dinheiro no colchão
Dinheiro
Cansada dos depósitos? Não ponha ainda o dinheiro no colchão
Acha que sabe distinguir cosméticos naturais dos restantes?
Beleza
Acha que sabe distinguir cosméticos naturais dos restantes?
Dormir a sesta não é sinal de preguiça, é bom para o coração
Saúde
Dormir a sesta não é sinal de preguiça, é bom para o coração
Pão de castanhas: uma sugestão deliciosa e nutritiva
Receitas
Pão de castanhas: uma sugestão deliciosa e nutritiva
19 bandoletes para palmilhar as ruas com o acessório da estação
Moda
19 bandoletes para palmilhar as ruas com o acessório da estação
Como reduzir manchas e ter uma pele luminosa em três passos
Beleza
Como reduzir manchas e ter uma pele luminosa em três passos
Seremos realmente livres de deixar crescer os nossos pelos?
Beleza
Seremos realmente livres de deixar crescer os nossos pelos?
Em busca de inspiração? Encontre-a nestes 12 documentários sobre mulheres
Cultura
Em busca de inspiração? Encontre-a nestes 12 documentários sobre mulheres
Experimente estes jogos de sexo e quebre a monotonia da relação
Sexo
Experimente estes jogos de sexo e quebre a monotonia da relação
Síndrome pré-menstrual: tem estes sintomas?
Saúde
Síndrome pré-menstrual: tem estes sintomas?
27 frases de empoderamento feminino para se inspirar todos os dias
Sociedade
27 frases de empoderamento feminino para se inspirar todos os dias