Toda a verdade sobre o chocolate fazer borbulhas (e outros mitos sem lógica)

São tantas as vezes que tomamos certos mitos e preconceitos como verdades absolutas, que até chegamos a mudar hábitos e rotinas em função disso. Alguns existem para nos facilitar a vida, outros só atrapalham. Mostramos-lhe seis exemplos.

Quantas vezes se privou de um mergulho no mar por ainda “não ter feito a digestão”? Quantas vezes ouviu dizer que o chocolate faz borbulhas? Ou que os peixes não têm memória e os cães veem tudo a preto e branco? Também acredita que o Buda histórico era gordinho e o Napoleão era um homem baixo? Recusa-se a comer melancia depois de beber vinho? Conhece os mitos em que acredita?

Sara Sá, jornalista de ciência, e o neurologista Pedro Ferreira, juntaram-se para desconstruir Cem mitos Sem lógica num livro que pretende pôr à prova o nosso senso comum e pretende repor a verdade a 100 mitos.

Desassossego, 15,50€

5 mitos sem lógica explicados de uma vez por todas

1. É impossível engravidar durante a menstruação

A menstruação é um assunto envolto em mitos, desde sempre. Um deles é a impossibilidade de engravidar durante este período. Segundo Pathophysiology: A Pratical Approach (Lachel Story, 2015), é bastante mais provável engravidar quão mais próxima se estiver da ovulação. No entanto, a gravidez pode ocorrer durante qualquer fase do ciclo menstrual.

Para complicar ainda mais as coisas, os espermatozóides podem sobreviver no sistema reprodutor feminino durante mais de 72 horas, o que torna a coincidência temporal entre presença de esperma e ovulação mais difícil de prever. A verdade é que, havendo a possibilidade de um óvulo e esperma estarem em contacto, poderá haver sempre um novo bebé no horizonte.

2. Rapar os pêlos fá-los crescer mais rápido

Não é verdade e a descoberta tem 100 anos. Já se fizeram vários testes, desde 1928, e a conclusão é sempre a mesma: cortar os pelos não tem qualquer influência no seu crescimento, largura ou grossura. Mas então, de onde vem esta crença?

Um dermatologista escreve para a Scientific American:”Somos maus observadores, temos memória curta e falhamos a avaliar a nossa pelagem – esta é uma das razões para esta falsa percepção.”

O motivo fisiológico prende-se com o facto de um fio de cabelo ser como um lápis: afina na ponta. Por isso, quando cortamos a parte final do pêlo, a parte que fica é de facto mais grossa, mais espessa e mais escura. Como tal, a partir de agora não tem de se sentir culpada por usar a lâmina (mas há outros métodos para remover os pelos).

3. Beber álcool aquece-nos

Sabe tão bem “beber um copo para aquecer” em dias frios, não é? Mas esta é uma ideia enganadora. Sentimos frio quando o sangue se afasta da pele, desviando-se para os órgãos internos para manter a temperatura interior do corpo.

O álcool faz o inverso: dilata os vasos sanguíneos e leva o sangue mais quente à superfície, causando a tal sensação de calor. Isto é uma falsa ideia de aquecimento que se agrava com o rubor nas bochechas e nariz.

Para além disto, quando se toma uma bebida alcoólica, activam-se os receptores nervosos de temperatura existentes na língua, para baixar a temperatura corporal. Isto relaciona alguns episódios de hipotermia com o consumo de álcool. Contrariamente, uma bebida fria pode aquecer-nos, contraindo os vasos sanguíneos e preservando o calor.

4. O chocolate faz borbulhas.

É realmente dramático pensar que uma das melhores coisas do mundo tem resultados menos bons na nossa cara. Mas a verdade é que, até hoje, ainda não se conseguiu provar a ligação entre chocolate e borbulhas na cara.

Ava Shamban, dermatologista, encontra a resposta para a criação deste mito no facto de a síndrome pré-menstrual coincidir com a fase em que as mulheres recorrem mais ao chocolate “para aclamar a neura”.

Ora, durante esta fase, os níveis de estrogénio baixam e os de androgénio sobem, o que pode provocar acne na pele de algumas mulheres. O mesmo se aplica aos jovens, que durante a puberdade produzem mais sebo na pele por razões hormonais… mas quem paga, injustamente, é o chocolate!

5. As avestruzes escondem a cabeça na areia

É pura ilusão de óptica. Quando dizemos que alguém está a esconder a cabeça na areia como as avestruzes, para fugir a um problema, é uma associação errada.

Um perito da Associação Americana de Avestruzes, explicou à National Geographic, que elas baixam a cabeça para se alimentarem. Um corpo grande e cabeça pequena como o das avestruzes, pode mesmo dar a ilusão de que desaparece no solo.

Para além disso, os ninhos de avestruz têm um metro de profundidade, e para rodar o ovo vão enfiando a cabeça no ninho ao longo de 45 dias. E pensando bem…que necessidade teria o animal mais rápido em duas patas, de se esconder em vez de fugir?

6. Não se pode dormir num quarto com plantas

Já sabemos que durante o processo de fotossíntese as plantas libertam oxigénio, na presença de energia luminosa. Energia essa, que quando transformada a partir da clorofila, confere a cor verde às plantas.

O receio de dormir com plantas assenta na ideia de que estas irão utilizar o nosso oxigénio ou produzir quantidades nocivas de dióxido de carbono. Segundo um artigo publicado pelo Sleep Council, as plantas no quarto podem até ajudar na renovação e qualidade do ar. Por isso, não tenha problemas em dormir com plantas.

 


 

Conhecia a lógica por trás destes mitos? Qual achou mais surpreendente?

Mais sobre livros

Comentários

Toda a verdade sobre o chocolate fazer borbulhas (e outros mitos sem lógica)

Os comentários podem ser editados por questões de clareza e para permitir respostas mais gerais.