Sexo

Crónica. Intimidade em tempo de quarentena

Aprenda a Saber Viver sem tabus. Todos os meses, a sexóloga Vânia Beliz promete falar abertamente sobre sexualidade, com o propósito de desmistificar questões associadas ao sexo e à intimidade, e para a fazer pensar e refletir sobre temas que podem, mesmo, mudar a sua vida.

Untitled-7 Untitled-7 Untitled-7
Crónica. Intimidade em tempo de quarentena
© Getty Images
Vânia Beliz, cronista
Escrito por
Mar. 19, 2020

Vivemos, hoje, tempos únicos e desafiadores. Nesta altura, as dificuldades sexuais podem surgir ou acentuar-se perante este cenário de incerteza e de recolhimento. Por isso, reservo este momento para refletir sobre o impacto na nossa intimidade e na forma como podemos ultrapassar algumas dificuldades.

Acredito que, para muitas pessoas, falar de sexo nesta altura possa parecer até descabido, mas é importante sensibilizar que o cenário que nos rodeia pode influenciar e alterar a nossa intimidade. Devemos encarar isso como uma resposta normal ao clima de incerteza que estamos a viver.

Toda a resposta sexual pode ser afetada, desejo, excitação e o prazer. Por isso, no lugar de se culpabilizar ou achar que alguma coisa não está bem, compreenda que é expectável que surjam mais dificuldades.

Falta de Desejo

A falta de desejo pode ser a primeira fase a ser prejudicada. Perante a ansiedade e o stresse, é normal que a cabeça esteja noutro lugar, por isso é importante que se respeite este tempo e não se obrigue a nada. Isto é obviamente válido para os homens, e sublinho isto porque achamos muitas vezes que eles não se abalam com nada, mas isso é falso. Estamos todos perante tantas incertezas que é normal que todos passemos por isto independentemente do nosso sexo.

Aproveitar para ver um filme romântico ou ler um livro erótico pode ajudar a desviar o pensamento de matérias mais preocupantes e despertar o desejo.

Falta de Excitação

Homens e mulheres podem ser surpreendidos pela falta de excitação, de lubrificação, a ereção não chega… Se nos apetecer continuar, podemos sempre recorrer a um lubrificante ou a um estimulador interessante.

Mas, se depois de tantos recursos nada funcionar, não se culpabilize por não ter acontecido, aproveite ainda o tempo frio e entregue-se nos braços do seu parceiro/a e aproveitem para sentir o calor e o outro. Nunca foi tão importante o agora, usufrua dele sem pressa.

Existem muitas formas de melhorarmos a nossa intimidade sem que isso passe pelo sexo
Vânia Beliz Vânia Beliz

Orgasmo

Tantas vezes difícil de conseguir para as mulheres pode, nesta fase, ser uma missão também difícil para os homens. Não se culpe.

Para chegar a esta fase é preciso que as anteriores tenham sido bem-sucedidas, e não há qualquer problema se não chegar ao orgasmo. Aceite que existem muitos fatores que surgiram e que podemos, nesta altura, ter dificuldade em controlar.

A reter…

Evite pressionar o seu/sua parceiro(a). Cada pessoa gere as situações à sua forma, evite cobrar do outro uma resposta mais ativa;
Evite passar o dia de pijama em casa;
Cuide de si e não perca hábitos de autocuidado;
Aproveite para comunicar mais;
Programem atividades juntos e em família. É possível, mesmo rodeados de quatro paredes;
Façam refeições em conjunto, finalmente;
Desafiem-se para um banho em família, ou depois dos mais novos na cama, a dois;
Falem das vossas emoções, dos sentimentos.

Existem muitas formas de melhorarmos a nossa intimidade sem que isso passe pelo sexo. Estar próximo do outro, partilhar o que se sente e projetar novos desafios em conjunto podem ser formas de promover um reencontro numa altura em que andávamos todos tão dispersos.

Vânia Beliz licenciou-se em Psicóloga Clinica e da Saúde. Mestre em Sexologia e doutoranda em Estudos da Criança na especialidade de Saúde Infantil, na Universidade do Minho, participa em projetos no âmbito dos Programas de Educação para a Saúde (PES) e o Projeto de Educação Sexual “A viagem de Peludim”, para crianças. É autora do livro Ponto Quê?, sobre a sexualidade feminina, e de Chamar As Coisas Pelos Nomes, dirigido às famílias sobre como e quando falar sobre sexualidade.

Últimos