Moda

Zara 100% sustentável (e com zero desperdício) a partir de 2025

Com o objetivo de contrariar o fast fashion, e provar que a Zara pode ser (mais) sustentável, Pablo Isla, diretor executivo da Inditex, anuncia novas medidas que prometem tornar o grupo cada vez mais verde.

Untitled-7 Untitled-7 Untitled-7
Zara 100% sustentável
Ana Carvas
Escrito por
Jul. 20, 2019

A preocupação ambiental é um tema atual e que anda nas bocas do mundo. Em todas as indústrias, os métodos de produção, a escolha dos materiais e a forma de pensar o negócio têm sido alterados com vista a proteger o planeta Terra.

É certo que o plástico é a mais recente vítima do escrutínio público, mas não está sozinho. Também o desperdício da indústria têxtil tem sido um tema de discussão constante dentro e fora das redes sociais, assim como a exploração de mão de obra barata e a utilização e recursos tóxicos que danificam os oceanos.

Há vozes que mostram que há uma luz no fundo do túnel. Por exemplo, a de Greta Thunberg, ativista sueca que tem vindo a incentivar os jovens em todo o mundo a manifestar-se contra as alterações climáticas. Ou a de Stella McCartney, que juntamente com as Nações Unidas levou 43 grandes grupos de moda a assinar o acordo Sustainable Fashion Industry for Climate, um manifesto que visa reduzir o impacto ambiental da indústria têxtil.

E no universo da moda, essas pequenas mudanças já se fazem sentir, uma vez que há cada vez mais marcas a assumir um compromisso ambiental, que se quer mais rápido e eficaz.

Isto porque, de acordo com os mais recentes dados da Copenhagen Fashion Summit 2019, um evento inteiramente dedicado à sustentabilidade na moda, “o ritmo do progresso sustentável na indústria de moda desacelerou um terço no último ano e, por isso, não está a acontecer rápido o suficiente para contrabalançar o impacto nocivo do crescimento rápido da indústria”, lê-se no comunicado.

“Estas últimas descobertas enfatizam a necessidade extrema de toda a indústria se juntar à corrida e acelerar o processo de mudança agora”, reforça Morten Lehmann, diretor de sustentabilidade da Global Fashion Agenda.

Com linhas como a Committed da Mango ou a Conscious da H&M a revolucionarem a forma como olhamos para o fast fashion, e a ganharem cada vez mais protagonismo quer pela qualidade quer pelo design inovador, a Zara não quis perder a boleia na carrinha elétrica da sustentabilidade.

O novo desafio sustentável

O objetivo foi traçado: até 2025, o grupo Inditex pretende que 80% da energia na sede e escritórios da Zara, fábricas e lojas em todo o mundo, seja de fontes renováveis. E que as instalações deixem de produzir resíduos que são hoje despejados no aterro sanitário. Já em 2023, o grupo espanhol comprometeu-se a usar apenas viscose 100% sustentável nas suas peças de roupa.

“Precisamos de ser uma força de mudança, não só dentro da empresa como para o setor têxtil”, declarou Pablo Isla, diretor executivo da Inditex, em entrevista ao The Guardian.

Dito isto, o grupo revelou ainda que, para além da Zara (responsável por 70% do lucro da Inditex), também a Massimo Dutti, a Zara Home e a Pull&Bear serão alvo de reformulações sustentáveis.

Fontes: The Guardian; Business of Fashion; Copenhagenfashionsummit.comWWD.


Quer adotar um estilo de vida mais sustentável? Estes são os 21 passos para começar já

Últimos