By

Sabores florais, do Médio Oriente e uma maior transparência alimentar. Estas são apenas três das grandes tendências da alimentação para 2018. A previsão volta a ser feita pela gigante rede de supermercados americana de produtos naturais e biológicos, Whole Foods.

Falta pouco para 2017 chegar ao fim. E como manda a tradição, com o final do ano, chegam as previsões sobre o que será tendência nos 365 dias seguintes. A cadeia de supermercados norte-americana Whole Foods revela o que há de novo no setor dos hábitos alimentares e quais serão as grandes tendências da alimentação para 2018.

Adiantamos o seguinte: são tudo boas notícias e muitas delas já começaram, discretamente, a dar sinais de existência em 2017. Dos cogumelos funcionais, a uma consciência alimentar cada vez mais forte, anteveja já o que vai estar em alta no próximo ano. Não espere por 1 de janeiro para aplicar as novas tendências. Comece já.

Tendências da alimentação para 2018

Tendências da alimentação para 2018, segundo a Whole Foods

1. Dê as boas-vindas aos sabores florais

Já é tendência na alta gastronomia há algum tempo, mas, em 2018, as flores comestíveis, com pétalas inteiras, vão chegar a todo o lado e vão acrescentar um toque mais floral e botânico aos pratos e às bebidas. Exemplos: lattes de lavanda e variadas opções com sabor a rosas, como esta geleia de pétalas de rosa.

Tendências da alimentação para 2018, segundo a Whole Foods

2. Pós ao poder

Fáceis de incorporar, com grandes concentrações nutricionais e uma boa forma de obter mais energia como substituto do café, os pós vão começar a aparecer cada vez mais em smoothies, barras energéticas ou sopas. Exemplos destes pós são o matcha, a raiz de maca, o cacau, o açafrão moído, a spirulina e muitos outras ervas que vão atribuir a característica de cor verde aos batidos. Como explica a Whole Foods, até os suplementos proteícos estão a evoluir: além de servirem para o reforço muscular, começam a surgir outros para tratar a pele e cabelo, ricos em colagénio.

Tendências da alimentação para 2018, segundo a Whole Foods

3. Cogumelos funcionais

Sempre gostámos de cogumelos, mas em 2018 vão finalmente brilhar. Altamente funcionais, vão começar a surgir cada vez mais opções. Dofungo, ao reishi, chaga ou juba de leão, vão fazer parte de diferentes produtos: em cafés, smoothies, chás ou sopas. Do lado da beleza, também começa a ser um ingrediente constituinte em vários produtos, como, por exemplo, nos cuidados de cabelo.

Tendências da alimentação para 2018, segundo a Whole Foods

4. Mais sabores do Médio Oriente

Já estamos bem familiarizados com o húmus, a pita ou o falavel. Mas, em 2018, a viagem sensorial pelo Médio Oriente prossegue com sabores israelitas, marroquinos, libaneses e da Síria. A estes juntam-se especiarias como harissa, cardamomo ou ainda romã, beringela, salsa, tahini (pasta de sésamo), geleia de tomate, hortelã e outros frutos secos. O cabrito assado, a shakshuka (ovos escalfados com molho de tomate) e o halloumi (queijo cipriota comum na Grécia e Médio Oriente) também vão aparecer em força.

Tendências da alimentação para 2018, segundo a Whole Foods

5. Transparência nos alimentos (nutricional e de produção)

A Whole Foods prevê que a tendência da transparência alimentar continue no bom caminho. Se, nutricionalmente, a informação já é substancialmente mais completa, a jornada segue com uma maior transparência face à forma como os alimentos são produzidos. Isto porque os consumidores querem saber qual é a realidade por de trás daquilo que estão a consumir. Qual foi o caminho que aquele alimento seguiu, desde a sua origem.

Tendências da alimentação para 2018, segundo a Whole Foods

6. Recriar a experiência de comer carne, em dietas vegan

Dietas e pratos feitos à base de produtos verdes vão continuar a dominar o mundo da comida, relata a Whole Foods. E uma das consequências desta tendência vegan reflete-se numa indústria cada vez mais evoluída tecnologicamente, capaz de manipular pratos verdes e proteínas. isto porque utilizam técnicas que recriam a experiência de comer carne, através da atribuição de algumas características. Exemplo: hambúrgueres vegan “que sangram” e leites, iogurtes, manteiga ou queijo sem lactose e de origem vegetal.

Tendências da alimentação para 2018, segundo a Whole Foods

7. Os alimentos crocantes ganham uma nova forma

A característica crunchy dos alimentos faz-nos sentir saciados. Esta vai continuar a ser uma tendência, mas, em 2018, ganha uma nova forma: novas tecnologias vão criar alimentos tufados e estaladiços, como chips desidratadas, arroz tufado ou alimentos em forma de clusters.

Tendências da alimentação para 2018, segundo a Whole Foods

8. Tacos a toda a hora

Os tacos saltam do almoço e do jantar, diretamente para outras refeições como o pequeno-almoço ou a sobremesa. O prato tipicamente mexicano é um dos favoritos de 2018. E já começa a ser uma opção comum na carta de diversos restaurantes. É a solução preferida para rechear, com ingredientes escolhidos com maior critério.

Tendências da alimentação para 2018, segundo a Whole Foods

9. Aproveitar o alimento por inteiro (cozido a vapor, de preferência)

Uma das tendências para o próximo ano passa por aproveitar os alimentos por inteiro, sobretudo os legumes e as hortaliças. A consciência alimentar e ambiental começam a estar no topo das prioridades. Desta forma, cozer a vapor será a forma de eleição para os cozinhar. Há menor desperdício e maior aproveitamento dos nutrientes.

Tendências da alimentação para 2018, segundo a Whole Foods

10. Bebidas com gas que não fazem mal

É uma tendência mais americana do que portuguesa. As bebidas gaseificadas começam a ser tendência. Agora ganham outro nome, que não “refrigerantes” por terem muito menos açúcar e por fazerem muito menos mal. Destas bebidas fazem parte águas gasificadas feitas com base em plantas, por exemplo.

O que achou das tendências da alimentação para 2018? Já está a aplicar alguma?

 

Leave a Reply