By

“Locais de comer e beber”, as tascas de Lisboa têm finalmente um guia bilingue que as homenageia e o autor, Tiago Cruz, diz-nos o que devemos comer em cinco delas.

Descobrir as melhores tascas de Lisboa foi o objetivo que norteou Tiago Cruz nos últimos dois anos e meio, projeto que deu origem ao, recentemente editado, guia Aliança Velha Tascas Lisboa (9,90€ – Oficina do Livro), feito em coautoria com Marco Dias. “Por incrível que pareça, a ideia para este livro partiu de uma piada que lancei no Facebook. No dia em que se soube quais os restaurantes portugueses que iriam ter uma estrela Michelin, disse em tom de brincadeira que iria escrever um livro sobre as tascas de Lisboa.

Minutos depois, o Marco mandou-me uma mensagem a dizer que se fosse verdade alinhava e o Sérgio Marques, diretor de Marketing da Bacalhôa, fez o mesmo, disponibilizando-se logo para o patrocínio”, conta Tiago Cruz. Depois disso, o publicitário pôs mãos à obra ou melhor o estômago a jeito e andou pela cidade à procura das melhores tascas, escolheu 25 para figurarem no livro, o primeiro guia bilingue de tascas a ser editado em Portugal,” já a pensar em dar a conhecer aos turistas este lado autêntico da cidade, em vez dos produtos que são pensados para eles”, diz. Escolheu Lisboa por ser a sua cidade, mas o resto do país pode ser a próxima vítima: “O passo natural é partirmos para outras zonas do País”, confessa, mas enquanto isso não acontece pedimos-lhe para nos dizer quais os pratos que todas as pessoas deveriam provar em Lisboa e ele não hesitou em mencionar três: “Sardinhas, cozido à portuguesa e caracóis”. Mas voltando às figuras principais do livro, as tasquinhas típicas, Tiago Cruz diz-nos o que comer em cinco delas.

 

A Parreirinha

É um lugar com mais de um século de existência e é conhecida pelos grelhados no carvão, seja peixe ou carne.

O que comer: Bife de espadarte.
Onde: Lg. da Madalena , 1, Algés.
Quando: Encerra ao jantar e ao domingo.

 

A Castiça

O proprietário assegura que A Castiça já tem 329 anos e a fama persegue-a. Os grelhados são famosos, mas há outros pratos dignos de serem provados como as iscas, o bacalhau com grão, o cozido.

O que comer: Iscas
Onde: R. da Castiça, 2/2ª, Lumiar, Lisboa.
Quando: Encerra ao jantar e ao domingo.

 

Bota Feijão

É uma espécie de Mealhada dos Olivais, pois ali há já alguns anos só serve leitão e do bom. Esta casa conta já com 35 anos.

O que comer:  Leitão.
Onde: R. Conselheiro Lopo Vaz 5, Olivais, Lisboa.
Quando: Encerra ao jantar (exceto grupos com marcação), ao sábado e ao domingo.

 

A Tasca do Zé Russo

O nome vem do facto do primeiro proprietário ser louro e de olhos azuis e, ainda hoje, está nas mãos da mesma família. Desde 1987 é a neta Gina a tomar conta da Tasca, onde os grelhados de peixe e carne são reis.

O que comer: Grelhados.
Onde: R. Vale Formoso de Cima, Lisboa.
Quando: Encerra sábado ao jantar e ao domingo.

 

A Tasca do Gordo

É, como a maioria, uma tasca familiar, neste caso liderada por mãe com a ajuda das duas filhas. Têm cliente fiéis há 35 anos à sua dobrada.

O que comer: Naco à Gordo.
Onde: R. dos Cordoeiros a Pedrouços, 33, Lisboa.
Quando: Encerra ao jantar (com exceção de grupos com marcação) e ao domingo.

 

 

Leave a Reply