By

O verão de 2017 está a ser marcado pelos fogos. Além de destruírem a fauna, a flora e as infrastruturas, os pulmões, pela inalação do ar, também são vítimas desta calamidade. A Fundação Portuguesa do Pulmão deixa dez recomendações importantes.

No passado sábado, 12 de agosto, foi registado o dia com mais incêndios em Portugal. De acordo com a Protecção Civil, estiveram 268 fogos ativos. Durante esta tarde, e, em apenas três horas, deflagraram mais de incêndios.

De acordo com o comunicado da Fundação Portuguesa do Pulmão (FPP), “Portugal é o país da Europa com maior percentagem de mata ardida”. A mesma organização lança um alerta às populações próximas dos locais com fogos, com medidas de prevenção que devem ser adotadas, de forma a proteger o corpo dos perigos da inalação do fumo. O aviso deve ser rigidamente seguido “por grupos mais vulneráveis”, como “as crianças, os idosos, os doentes cardiovasculares e, sobretudo, aqueles que sofrem de doenças respiratórias.”

As consequências da inalação do ar poluído dos incêndios florestais tem efeitos muito negativos na saúde. Este ar, ao ser inspirado, “causa processos inflamatórios de toda a via aérea – faringe, laringe, traqueia e brônquios.” Causa ainda “infeções brônquicas e pulmonares, e descompensação de doenças respiratórias pré-existentes”, como asma, por exemplo.

Quer esteja a passar de carro, ou more em regiões próximas dos fogos ou de florestas ardidas, leia atentamente e siga as recomendações da FPP.

 

As recomendações da Fundação Portuguesa do Pulmão

1.  Caso seja possível, afaste-se e abandone a área onde está a decorrer o incêndio.
2. Tenha por perto equipamento de proteção respiratória, como uma máscara. Caso não possua, utilize “um lenço humedecido”. Tenha, no entanto, noção de que este não protege os pulmões dos gases e das partículas mais minúsculas do fumo.
3. No caso de haver muito fumo, mantenha-se junto ao solo. Quanto mais perto do chão, menos intenso será o calor e o fumo.
4. Mantenha-se o menor tempo possível ao ar livre. Em casa, feche tudo de forma a evitar que o ar poluído entre. Além das janelas e portas, certifique-se de que até as frinchas estão cobertas.
5. Não fume e não utilize outros produtos tóxicos, como tintas, vernizes e detergentes. Caso contrário, estará a piorar o estado do ar. Mantenha todos os aparelhos que funcionam a gás, bem como as velas, apagados. A medida serve para “manter o nível do oxigénio da casa o mais elevado possível”.
6. Caso tenha sistemas de purificação de ar, utilize-os. No caso do ar condicionado, a FPP aconselha a “colocar a opção de recirculação de ar, evitando que o ar exterior entre dentro de casa.” Verifique se os filtros estão limpos.
7. Caso esteja de carro e seja necessário atravessar uma zona com fumo, certifique-se que tem as janelas e os ventiladores fechados. No caso do ar condicionado, faço o mesmo que na sugestão anterior: ligue-o em modo de recirculação, mantendo, assim, o ar exterior longe do interior do carro.
8. Caso esteja a passar por um tratamento respiratório, siga “rigorosamente o esquema que lhe foi proposto pelo seu médico”, sem excluir a “medicação SOS”.
9. Se for doente insuficiente respiratório crónico sob tratamento com oxigénio, “terá de o fazer de acordo com as instruções que lhe foram dadas pelo seu médico.”
10. Por último, e muito importante, caso se enquadre num dos pontos anteriores e a sua situação piorar, peça evacuação para um hospital.
 

 

Leave a Reply