By

Este sábado, 4 de novembro, Artur Bordalo, conhecido por Bordalo II, abrirá ao público a sua primeira exposição individual. Chama-se Attero, o termo em latim que representa o problema para o qual pretende alertar: o desperdício.  

“One man’s trash is another man’s treasure“. A ideia é simples. O lixo de uns pode ser o tesouro de outros. Quem passeia por Lisboa (e por outras cidades do país ou do mundo) pode facilmente encontrar a prova de que isto pode, de facto, ser verdade. Inseridas nas estruturas da cidade, vemos as obras em grande escala de Bordalo II, um dos nomes mais emergentes da arte urbana, conhecido por dar uma nova vida ao lixo, utilizando-o nas suas criações.

Attero, um comentário à sociedade consumista

O dia 4 de novembro representa uma data importante para Artur Bordalo. É este o dia que assinala a inauguração de Attero, a sua primeira exposição individual. Natural de Lisboa, com 30 anos e um portfólio que inclui obras em vários países, de diferentes continentes, é conhecido pela série Big Trash Animals, que se materializa na criação de animais em grande escala, que nascem do reaproveitamento dos materiais que vai reunindo.

A escolha dos animais pretende prestar-lhes homenagem, uma vez que são vítimas do abuso dos recursos naturais da Terra, da poluição e dos comportamentos que têm vindo a acelerar a uma velocidade alucinante a deterioração do estado do Planeta.

Em Attero, que funcionará como uma espécie de extensão daquilo que faz na rua, continua a defender os mesmos princípios. Em comunicado de imprensa pode ler-se:

“ATTERO by BORDALO II assume-se como um comentário à nossa sociedade consumista e à forma como exploramos, muitas vezes de forma abusiva, os recursos que a Natureza nos dá.”

Explica ainda que é desta forma que ” surge uma vontade pedagógica e de transmissão de uma consciência ecológica”, que resultará “num grande conjunto de atividades de sensibilização para os temas para os quais a exposição remete.” E é assim que, “inevitavelmente, o visitante será convidado a refletir sobre o seu próprio papel enquanto ator na sociedade em que se insere.”

Bordalo II: criar, recriar e aproveitar

A frase com que começamos este artigo faz parte da descrição da página oficial de Facebook de Bordalo II. Neste espaço público, resume bem os ideais que defende: “Crio, recrio, junto e desenvolvo ideias com materiais em final de vida e tento relacioná-los com a sustentabilidade e a com consciência ecológica e social.”

A sua relação com as artes começou cedo, bem como aquela que desenvolveu com as paredes da cidade. Bordalo II, frequentou a Faculdade de Belas Artes de Lisboa e entrou no universo da arte urbana pelo mundo do graffiti. Depois, gradual e naturalmente, foi-se aventurando nesta nova etapa.

“Comecei a fazer peças mais pequenas, às quais ia adicionando objetos de desperdício (embalagens, cartões, latas esmagadas), apenas como experiência. Gradualmente, comecei a querer utilizar materiais mais robustos, com uma escala diferente, que me obrigaram a voltar para a rua outra vez”, conta, em declarações à Agência LUSA.

A primeira exposição individual de Bordalo II, neto do artista plástico Real Bordalo, acontece na zona do Beato, num grande armazém. Mesmo antes de se atravessar o portão, pode ver-se a primeira obra (na fotografia acima). A data de início da inauguração está marcada para as 16h00 e termina às 21hoo.

Morada: Rua de Xabregas, 49.
Horários: quarta-feira a domingo, das 14h00 às 20h00.
Entrada livre.

Já conhecia as obras de Bordalo II? Aproveite o fim de semana e visite a exposição! Veja ainda as nossas 15 dicas para passar a ter uma vida mais ecológica.

 

Leave a Reply