By

As Marias de António Raminhos são três: Maria Rita, Maria Inês e Maria Leonor. E se tivesse um filho rapaz (mas não parece querer arriscar ir ao quarto) chamava-lhe também Maria (de primeiro nome João). Mas o melhor que fez na vida, além das filhas, foi ter conquistado a mulher, Catarina. E agora escreveu um livro.

António Raminhos foi jornalista no jornal A Capital e na RTP. Quando ficou desempregado decidiu experimentar o humor – foi a sua sorte. E desde que subiu pela primeira vez a um palco, em 2006, nunca mais parou de (tentar) ter graça. Com essa mesma graça voltou a escrever, mas como cronista da Maxmen, e celebrizou-se em programas de televisão como o 5 para a Meia-Noite, onde se tornou mais conhecido, e o Dança com as Estrelas, e criou um talk show de grande sucesso na Internet, Banheira das VaidadesRecentemente tornou-se numa das vozes do Café da Manhã da RFM, com a rubrica As Marias. Mas tudo começou com o espectáculo com o mesmo nome, que esgotou salas em todo o país e que agora surge num livro homónimo. Foi a esse propósito que conversámos com o autor.

 

 

 

“(…) a educação não precisa de rígida, precisa de ser sincera!”

As Marias é um livro de auto-ajuda?
Bom… podemos dizer que sim. E podemos dizer que não! Porque a única coisa que espero é que ajude os pais a relaxarem e a passarem um bom momento com a quantidade de idiotices que vão por lá encontrar. Embora eu tenha mesmo feito pesquisa em alguns temas, exatamente para depois poder dizer o contrário!
Foi terapêutico para si escrevê-lo?
Não é bem terapêutico, porque coloco sempre muita pressão em mim e nas coisas que faço! Mas há ali temas que me deram muito gozo falar. Porque alguns são uma espécie de libertação e daquilo que eu gostaria de fazer e que, por questões legais, é melhor não fazer!
O humor salvou-lhe a vida? 
Deu-me uma vida alternativa. Uma vida com a qual nunca sonhei. Não foi uma área que tenha pensado “ah eu quero fazer isto”. O caminho foi aparecendo pela frente. E continua a ser um pouco assim. Não faço grandes projectos. Vou pensando “gostaria de fazer isto” e vou à luta.
Mas tornou-o um melhor pai?
O humor sempre fez parte da minha vida, só a nível profissional é que não. Portanto, se não fosse comediante é provável que o modo de encarar a vida fosse o mesmo que tenho agora. Aposto muito na lógica do “bom, se a vida já tem tantas chatices, porque é que lhe vou colocar mais em cima?”.
Como é que conseguiu que a atriz Cobie Smulders (também ela de seu nome Maria – Jacoba Francisca Maria), conhecida por interpretar Robin Scherbatsky na série de televisão How I Met Your Mother e a agente Maria Hill (outra vez Maria!), da Marvel, escrevesse o prefácio do seu livro?
Foi através do Miguel Bello, meu agente e organizador da Comic Con Portugal. Foi ele que se lembrou que seria engraçado. A Cobie esteve cá, fomos jantar e passámos a noite a falar sobre os nossos filhos. Ela viu os videos e riu-se genuinamente, porque percebeu e identificou-se com as situações. Voltámos a estar juntos em Nova Iorque e ela voltou a falar dos vídeos, que continuava a ver os novos! O que, para mim, foi uma satisfação enorme. Nessa noite deu-me a folha original com o texto que serviu de prefácio.
Há pormenores no livro que podem passar despercebidos à maioria dos leitores. Por exemplo, nos créditos (pág. 6), refere que “Apesar de o autor se opor ao Novo Acordo Ortográfico, mas considerando que as respetivas normas são ensinadas nas escolas portuguesas, este livro segue a grafia em vigor, excepto esta palavra. Perceberam? Excepto.”
Sim… e há mais lá pelo meio! São só parvoíces que me vão saindo na altura!
Ainda vão ao quarto filho – a tentativa do rapaz?
Ahahahahahahahhahahahahahahhahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha…
Não está farto de ser o único homem da casa?
Nesta altura já não. O pior mesmo são os dramas, que acontecem a todo o momento e a toda a hora. São mulheres, é tudo um problema!
E se tivessem um rapaz davam-lhe o nome de Maria? António Maria?
João Maria. Aliás, esse era o único nome que tínhamos pensado mesmo antes de ter filhos. E não está relacionado por ser um nome “bem”. É porque é o nome de uma pessoa que me marcou muito e que já cá não está.
As suas filhas percebem quando está a brincar e quando está mais sério?
Sempre! Nunca me faltaram ao respeito. Eu acho que isso prova que a educação não precisa de rígida, precisa de ser sincera! Muitas vezes sou mais chato do que elas, sou mais criança do que elas, têm total liberdade para dizer cocó, chichi, dizer as parvoíces que lhes vêm à cabeça. No momento em que peço respeito ou silêncio ou atenção, não preciso de avisar mais do que duas ou três vezes.
Os vídeos que faz com as suas filhas acabam por permitir que passe mais tempo com elas?
Nem por isso… eu passo bastante tempo com elas. Às vezes estou com elas e aproveito para fazer os vídeos. Os vídeos não são o mote para estar com elas.
E se daqui a uns anos, quando  forem maiores, virem as figuras em que as colocou e cobrarem? Pensa nisso?
Nessa altura já está! Já não há nada a fazer! Temos pena! Podem fazer o que quiserem porque terei sempre os vídeos!
A sua mulher diz que “o Raminhos é o melhor pai do mundo. E isto nem sequer é um elogio. É uma constatação.” Concorda?
Onde é que ela diz isso? Ela a mim nunca me disse isso! Não sou o melhor pai do mundo, nem sei o que isso é ou se tal definição devia existir. Cada pai está a tentar fazer o melhor que sabe e, só por isso, talvez já possa ser o melhor do mundo
 

As Marias

António Raminhos, um dos mais reconhecidos humoristas portugueses da atualidade, acaba de lançar As Marias, um manual de parentalidade muito especial.

O primeiro livro da autoria de António Raminhos. Um guia para quem quer ser (ou não) pai. Um relato das aventuras, peripécias e dramas da infância, adolescência e casamento, sempre contadas de uma forma íntima e bem humorada.

Em cada capítulo, o Dr. Raminhos responde a uma questão de um paciente, e convida o leitor para as consultas através deste livro que tem a chancela Contraponto.

As Marias, de António Raminhos (Ed. Contraponto), 9,99 

Aprenda a conceber uma menina, a lidar com raparigas e com a sua mulher. Saiba como mudar fraldas, escolher fantasias baratas para o Carnaval e prendas especiais para o Natal, ou como fazer sexo sem os filhos notarem. Fique a dominar temas como: as festas de aniversário, a hora de dormir, as perguntas inconvenientes, os fins de semana em família, a hora da refeição, a maquilhagem e os namorados das meninas, a idade dos porquês, os piolhos, os livros infantis, os trabalhos de casa e a água do cu lavado.

E como Raminhos é uma personalidade cada vez mais digital, nada faria mais sentido do que transformar o livro em papel numa obra com uma dimensão digital. As Marias conta também com uma aplicação digital de realidade aumentada que dá acesso a vídeos exclusivos sempre que o leitor apontar o seu smartphone ou tablet para uma das muitas ilustrações de Manel Cruz que o livro inclui.

Vai mesmo seguir os conselhos de António Raminhos? Se calhar até deve…

Créditos: Contraponto e Instagram

 

Leave a Reply