By

A partir de sábado vai ser possível ver Mercúrio, bem como Vénus, Marte e outros planetas. Uma chuva de meteoros volta a atravessar o céu e a Lua coloca-se entre o Sol e a Terra. Fuja da cidade e olhe para o céu noturno de agosto.

Em agosto vai poder ver o universo em ação, numa espécie de festival de corpos celestes. O céu, já este fim de semana, sábado, 12 de agosto, será invadido por um enxame de meteoros, que vai atravessar a nossa atmosfera. E, além de um eclipse solar, ao longo de todo o mês, vão ser visíveis, a olho nu, vários planetas do sistema solar. A Saber Viver reúne aqui tudo o que não pode perder no céu noturno de agosto.

Não perca a chuva de meteoros a 12 agosto

Explica o Observatório Astronómico de Lisboa (OAL) que um meteoro corresponde a um acontecimento luminoso em que um corpo sólido do espaço entra na atmosfera da Terra.

É um encontro anual e regular. Todos os anos, a chuva de meteoros de Perséiades atravessa o nosso Planeta. E vai acontecer este sábado, 12 de agosto. As alturas de máxima atividade vão ser entre as 14h30 e as 02h30 da madrugada, sendo que apenas à noite será visível a olho nu. De acordo com o OAL, “em Portugal, o pico será visível na madrugada do dia 13, a partir da 01h00”.

Onde observar? As cidades estão cheias de poluição luminosa, pelo facto de as ruas serem iluminadas por luz artificial. Para ver o fenómeno, o ideal será afastar-se destes locais e ir para um sítio escuro, sem grandes obstáculos visuais. Sugerimos, claro, a Reserva Dark Sky Alqueva, no Alentejo. É uma região protegida da poluição luminosa e com particularidades únicas do céu noturno, reconhecidas mundialmente. Foi “a primeira reserva do mundo a obter a Certificação Starlight Tourism Destination atribuída pela Unesco e pela Organização Mundial do Turismo.”

eclipse

Observe outros planetas do Sistema Solar

De acordo com o Observatório Astronómico de Lisboa, “todos os planetas visíveis a olho nu podem ser observados no céu noturno de agosto”. Para conseguir identificá-los, precisa de conhecer as constelações.

A 13 de agosto, Mercúrio estará visível ao final do dia, na altura do crepúsculo. Vai estar na constelação de Leão, na direção Sudoeste. Por ser aquele que está mais perto do Sol é aquele que mais dificilmente é observado a olho nu.

A partir de 16 de agosto, ao amanhecer, poderá observar o quarto planeta do sistema solar. Marte vai estar visível na constelação Caranguejo, indo, depois, em direcção à constelação Leão, na direção Nordeste.

Aproveite ainda este mês para observar Júpiter, ao anoitecer. Vai estar na constelação Virgem e na direção Sudoeste. Saturno também poderá ser visto durante agosto, mas ao anoitecer, na constelação Ofiúco e na direção Sudeste.

Úrano e Neptuno, “nunca são visíveis à vista desarmada”. Porém, com telescópio, poderão ser observados ao longo de todo o ano. Vão estar na constelação de Peixes e Aquário, respetivamente.

Caso se perca a olhar para os corpos celestes e não consiga encontrar os conjuntos de estrelas, sugerimos que faça o download da app Star Walk. Disponível para sistemas operativos Android e iOS, disponibiliza um mapa do céu em tempo real e identifica estrelas, constelações e planetas.

21 de agosto, não perca o eclipse solar (parcial)!

Designa-se por eclipse solar, a altura em que a Lua interpõem-se entre o Sol e o nosso planeta. Dependendo da zona geográfica do Planeta, este fenómeno pode ser total, quando a Lua tapa completamente a superfície do sol, ou parcial, quando apenas tapa uma porção.

A 21 de agosto vai dar-se um eclipse solar, que em Portugal será apenas parcial. Já nos Estados Unidos, durante um período de tempo, a Lua vai tapar toda a superfície solar. Caso queira seguir de perto o eclipse, acompanhe a NASA, que vai transmitir o acontecimento em direto.

De acordo com o OAL, “o eclipse será apenas visível como eclipse parcial em todo o território português, que ficará na penumbra da Lua”. Adianta ainda que, “na maioria do território nacional, o eclipse parcial será pouco perceptível, pois começa quando o Sol já se encontra próximo do ocaso, altura em que as imagens dos astros apresentam más condições de observação.”

A cobertura da superfície solar não será também idêntica em todo o país. Em Lisboa, o máximo será de 19% e acontecerá às 20h23. Na Madeira, o fenómeno dá-se com mais intensidade, sendo que a Lua vai cobrir o Sol em 33% da sua superfície. Consulte aqui as melhores horas e o nível de cobertura do Sol em diferentes zonas do país.

Alerta para a observação do eclipse

“A observação do Sol, mesmo com o auxílio de aparelhos óticos, causa graves riscos para a visão humana se os procedimentos de segurança corretos não forem acautelados”, explica o OAL. “Uma má utilização dos filtros solares ou de aparelhos de observação, assim como a observação direta, podem causar cegueira instantânea ou gradual sem regressão”, adverte.

Para observar o eclipse, deverá comprar uns óculos próprios com filtros solares. Estão disponíveis em algumas lojas de material astronómico.

Marque na sua agenda as datas que indicamos em cima e não perca estes fenómenos naturais.

Tags:
 

Leave a Reply