By

Os padrões de beleza afetam negativamente os nossos hábitos alimentares e autoestima. Há documentários, conferências TED e vídeos inspiracionais que mostram que até as modelos são influenciadas por representações de beleza inatingíveis. Temos cinco para lhe mostrar. Veja!

“A exposição prolongada a estímulos visuais tem um impacto na construção da nossa identidade e autoimagem”. Quem alerta é Filipa Jardim da Silva, psicóloga clínica na Oficina de Psicologia. Diariamente, as mulheres estão expostas a representações de padrões de beleza inatingíveis. O que significa que, à partida, a nossa autoimagem já foi manipulada por essas imagens. Mas o pior acontece quando tentamos reproduzir o que é universalmente considerado belo, pois colocamos a nossa saúde física em risco. Como? Adotando hábitos alimentares extremos.

Não falamos apenas de distúrbios alimentares como a anorexia e a bulimia, mas, também, de obesidade. Muitas adolescentes ou jovens mulheres deixam de comer para conseguirem um corpo semelhante ao das modelos extremamente magras, ou, por outro lado, identificam-se com as modelos plus-size e continuam a fazer uma dieta rica em açúcar e gorduras saturadas. Isto tem consequências graves ao nível da nossa autoestima.

Nestes vídeos encontrará exemplos inspiradores e sugestões de como pode (e deve) mudar a sua autoimagem, para melhorar a sua autoestima.

As modelos também têm inseguranças

Na conferência TED, intitulada Looks aren’t everything. Believe me, I’m a model (2012), a manequim Cameron Russell exemplificou, através de uma simples muda de roupa, como a imagem que temos de alguém pode mudar numa questão de segundos. Porque a imagem, diz a modelo norte-americana, é superficial, mas tem um impacto enorme no público e nas próprias manequins.

Não se fixe no tamanho

Ashley Graham foi a primeira modelo plus-size a ser convidada para aparecer em biquíni num anúncio da Sports Illustrated, uma revista desportiva norte-americana. Numa conferência TED, em 2015, Ashley Graham revelou as tribulações que teve de enfrentar ao longo da sua carreira de 15 anos, por ser uma modelo com medidas mais realistas do que se vê nas passerelles. Assista ao vídeo, intitulado Plus-size? More Like My Size, e deixe-se inspirar pelo exemplo de Ashley. Cuide do seu corpo, para se sentir bem nele em todos os sentidos.

Adote uma atitude crítica

Desde 2004 que a Dove se dedica à promoção da autoestima das mulheres, através das suas campanhas publicitárias – protagonizadas por modelos de vários tamanhos. Neste vídeo, a marca de produtos de higiene alerta para a forma como a imagem das modelos é manipulada através da maquilhagem, da luz e do Photoshop.

Veja-se como os outros a vêem

Retratos da Beleza Real é um vídeo da autoria do criativo português Hugo Veiga, que todos devíamos ver. Aqui, a Dove explora a noção de autoimagem e mostra quão deslocada da realidade normalmente está. A perceção que temos da nossa própria beleza tende a ser negativa, mas o vídeo revela que as outras pessoas vêem-nos de forma muito mais positiva.

O padrão de beleza tem de mudar

É a conclusão do documentário Straight/Curve (2016), realizado pela jornalista Jenny Mcquaile. As modelos entrevistadas defendem que as campanhas publicitárias das grandes marcas devem passar a representar a diversidade de corpos que existe na realidade, porque isso afeta a autoimagem e a autoestima das adolescentes e jovens adultas.

Leia o artigo intitulado No meio está a virtude, publicado na edição de maio da revista Saber Viver, onde exploramos e desenvolvemos estas questões.
 

Partilhe com as mulheres da sua família e as suas amigas.

CRÉDITO: instagram @aldawomen

2 Comments

  1. mdl0977@gmail.com'
    Marlene Delgado / 29 de Abril de 2016 at 0:20 /Responder

    Fiquei encantada com o documentário. Parabéns.

    • Filipa Basílio da Silva / 2 de Maio de 2016 at 14:25 /Responder

      Olá Marlene! Obrigada pelo comentário e obrigada por seguir o nosso blogue 🙂 Um abraço, Filipa

Leave a Reply