By

Numa entrevista de emprego não interessam apenas as suas respostas. As perguntas que faz têm tanto ou mais peso para compreender se quer, de facto, trabalhar naquela empresa. Não se precipite: antes de aceitar um compromisso, tenha uma visão completa da filosofia e da segurança do local para onde se candidata.

O que vestir? Que postura deverá ter? Que características é que as empresas mais valorizam nos candidatos? Estas são as perguntas a que quase sempre se responde quando o tema é uma entrevista de emprego. Parte-se do pressuposto que apenas quem se senta à frente do recrutador é que avaliado. E que conseguir o ‘sim’, basta.

De acordo com um artigo escrito para a Forbes por Liz Ryan, CEO e fundadora da empresa Human Workplace, “os locais de trabalho do novo milénio são muito diferentes do anterior. Há esquemas e situações confusas em todo o lado, e quem procura emprego tem de estar alerta.” O facto de uma empresa estar a recrutar não significa que esta tenha uma estrutura sólida e segura. A verdade é que basta aceder aos grupos de Facebook de procura de emprego para constatar este facto: em entrevistas de emprego muitas pessoas são enganadas, persuadidas a aceitarem trabalhos pouco claros, com propostas e condições suspeitas.

Assim, é essencial que, numa entrevista de emprego, o candidato também faça perguntas. E não pense que vai causar má impressão. Muito pelo contrário. Além de ficar com uma ideia mais aprofundada daquela empresa, vai fazer um brilharete: perguntar, ter curiosidade, ser assertiva e determinada são características valiosas que os verdadeiros líderes e as boas empresas apreciam. De outra forma… it was not meant to be!

1. “Pode contar uma história que exemplifique a cultura da empresa?”

A pergunta deverá mesmo ser feita desta forma. A ideia é que quem está sentado do outro lado da mesa seja forçado a pensar e a dar uma resposta desenvolvida. Feita de forma mais genérica – “como é a cultura da empresa?” – a pergunta vai gerar uma resposta fácil, fechada e vaga. Bastará um “é ótima” para que o assunto fique encerrado.

Se passar por várias etapas no processo de recrutamento e a resposta a esta pergunta for sempre a mesma, então é mau sinal. “Empresas saudáveis criam histórias novas todos os dias”, refere Liz Ryan.

2. “Como é que a posição para a qual me candidato vai ajudar o departamento e a empresa a atingirem os seus objetivos?”

Esta pergunta é fundamental para compreender o peso e a influência da posição de trabalho para a qual se candidata. O ideal é que seja feita ao chefe de departamento e não ao funcionário de recursos humanos. A CEO da Human Workplace diz que se não houver resposta a esta questão, então que é caso para “fugir”.

3. “Qual é a maior vantagem de trabalhar aqui?”

A resposta a esta pergunta vai fazer com que fique com uma ideia mais profunda sobre a filosofia da empresa. Tal como explica Liz, “infelizmente, para muitas empresas, as vantagens estão relacionadas com o plano de saúde ou com a localização, quando aquilo que deverá importar são elementos como:  o trabalho em si, a missão, as pessoas, a oportunidade para aprender e crescer, e ainda o nível de confiança da empresa”.

4. “O que é que no meu currículo vos chamou a atenção?” ou “porque é que decidiram entrevistar-me?”

É importante que a resposta a esta questão seja sólida. Num processo de recrutamento é essencial que quem recruta “seja capaz de olhar para o currículo do candidato e explicar porque é que este será uma boa aposta para empresa.” Não tenha receio – faça a pergunta com segurança e à vontade.

5. “Quais são as conquistas que a pessoa a ser contratada poderá atingir nos primeiros 90 ou 180 dias de trabalho para ficarem satisfeitos com a escolha?”

Esta questão é chave. Ao perguntar quais as conquistas relevantes para aquele posto de trabalho, vai estar a fazer com que o seu possível futuro chefe a imagine já naquele cargo. Ao mesmo tempo, vai forçá-la a pensar nos objetivos concretos que devem ser atingidos. Assim, vai ficar com uma ideia muito mais concreta dos desafios e do dia a dia naquele local de trabalho.

 

Leave a Reply